Thursday, August 30, 2012

Das minhas manias

Eu tenho diversas manias e uma delas é ler sobre crimes e criminosos. Não importa o tipo do crime, não importa o quão grotescas as histórias são, todas me interessam. Por mais bizarro que pareça, acho a mente criminosa fascinante.

Quando mais nova, adorava ler sobre crimes, mas meus pais não me deixavam ler sobre os reais, então lá pelos meus 12 anos eu já havia devorado os livros da Agatha Christie e Sir Conan Doyle, que até hoje considero como os melhores escritores de romances policiais. Para mim qualquer coisa ligada a crime é entretenimento, seja livros de casos reais ou os de ficção. Com o excesso de leitura rsrs vc passei a identificar casos reais nos livros de ficção hehe oq ue passou a ser um outro entretenimento, pois tento associar a história há algum caso real.

Alguns podem achar que esta minha mania mórbida veio em decorrência de ser filha de policial. Bom, eu tenho duas irmãs e nenhuma delas têm o mesmo fascínio que tenho. O que eu acho que ser filha de policial colaborou é na minha perspectiva de análise de um crime. Sempre discuti minhas teorias com o meu pai, e ele sempre me estimulou a olhar as coisas pelos mais diversos ângulos, o que admito me ajudou em vários segmentos da minha vida, não apenas no meu hobbie de seguir o mundo criminal rsrsrs

Lógico que nesta imersão no mundo criminal, você tenta se colocar no papel do criminoso e com o tempo fui ficando boa em me colocar no papel dos outros. Tão boa que amigos sempre falaram que com a equipe certa eu conseguiria cometer o crime perfeito hahahah Pois é, sou estranha e nunca neguei, e a maioria dos meus amigos são tão peculiares quanto eu rsrs Bobo né? Mas admito que tenho um super orgulho da minha peculiaridade!

São anos de experiência rsrsrs O que me garante poucas surpresas quando estou lendo um livro ou assistindo um filme. Hoje em dia marido e eu temos um trato, eu nunca comento como acho que o filme vai desenrolar "para não estragar a surpresa" dele rsrs

Bom, já que dei toda uma introdução sobre uma das minhas estranhezas rsrsr Vamos ao motivo deste post? A coroação do meu conhecimento inútil sobre como desvendar um crime hahahaha (Já que minha profissão é ajudar as pessoas a engravidarem e não desvendar crimes).

Recentemente, eu recebi um deal do Groupon sobre um Mystery Dinner. Como o nome diz, o Mystery Dinner consiste em um jantar onde se encena algum crime, e os convidados do jantar são os detetives. Lógico que a estranha que vos escreve ficou piradinha para participar deste jantar né? Pq eu tenho um marido que me ama muito rsrsrs Ele aceitou a participar desta presepada comigo, e pq meus amigos também me amam e apoiam minha loucura, eles também resolveram participar do jantar conosco.

Haviam 4 atores, e eles distribuíram outros 8 personagens entres "comuns" que foram ao jantar. Não sei se todos os Mysteries Dinners são como este, mas tudo foi ocorrendo no decorrer do jantar. Ou seja, quando tudo começou nem havia um crime ainda, e o mais legal é que o próprio criminoso não sabia que ele era o criminoso. Após algumas encenações específicas nós tínhamos tempo para ir até os personagens e podíamos fazer qualquer pergunta que achávamos necessária. Não vou ficar aqui explicando todos os detalhes, não é o intuito do post hehehe

Um outro detalhe importante é que vc não trabalha sozinho, vc trabalha com um time, que é a mesa onde vc está sentado. O salão era composto de mesas de 10 pessoas, e na minha mesa estávamos sentados 6 conhecidos e 4 pessoas que não conhecíamos. Após alguns rounds de perguntas eu voltei para a mesa toda empolgada pq acreditava que tinha desvendado o crime. Contei minha teoria para todos, e pq era meio estranha, não foram todos que compraram minha idéia rsrsrs Quando chegou no ponto final, os atores nos entregaram uma folha onde tinhamos que dizer quem era o criminoso. Mas só o criminoso não te garantia o prêmio, vc precisava dizer o pq do crime. O que faz sentido, afinal, alguém poderia chutar o criminoso e acertar né? No fim, ninguém apareceu com uma teoria completa como a minha, e como meus amigos conhecem minha fama, eles definiram que iriam me apoiar. As 4 pessoas desconhecidas não se sentiram tão confortáveis, mas éramos maioria hehehe

Ai que ó, levamos o certificado de detitives da noite hahahaha

Team Klutz, que era o nome do personagem do marido
Eu sei gente, coisa extremamente boba, mas estou "mor" orgulhosa do meu pedaço de papel que dá suporte a minha estranheza hahahahaha Por isso que decidi escrever este post tão bobo quanto meu orgulho adolescente hahahahahaha

Wednesday, August 29, 2012

Pérolas


Eu tenho um sobrinho de 6 anos que é a coisa mais fofa deste mundo (ok, tia falar isso não vale hahaha)

Enfim, ele era a única criança da família (irmãozinho nasceu dia 23.08). Por conta disso, o mundo da família gira em torno dele hehehe Mas o que quero falar por aqui é sobre as pérolas que ele solta que faz qualquer um se matar de rir. (S- sobrinho, M- mãe, E-Aline, V-Avô/ó, P-Pai)

Pérola 1
S- Mãe, quanto tempo falta para eu aposentar??
M- O quê??
S- Quanto tempo falta para eu aposentar?? Eu estou cansado (Todo o trabalho dele é ir para a escola rsrs)

Pérola 2 (essa eu acho a coisa mais fofa)
S- Tia, vc pode passar essa férias curta aqui??
E- Férias curta??
M- Férias curtas significa fim de semana (minha irmã fazendo a tradução rsrs)

Pérola 3
S- Vô, vc está com muito cabelo branco, isso significa que vc vai morrer?? :0

Pérola 4
(Quando eu havia passado o Natal na Califórnia)
S- Tia, vc está de volta no EUA ou ainda está na Califórnia?

Pérola 5 (antes de eu casar com o marido)
E- Sobrinho, o meu Namorado é seu tio, vc não vai chamar ele de tio??
S- Não, vcs não casaram ainda!! (Menino das antigas rsrsrs)

Pérola 6
S- Vô, eu acho que vc precisa de uma esposa mais nova, a vó está ficando velha!! (Pobre da minha mãe rsrsrs)

Pérola 7
(Saindo de manhã para ir para a escola)
S- Pai, me ajuda carregar minha mochila que tá pesada.
P- O que vc tem nesta mochila que pesa tanto?
S- Minha pasta com a minha lição de casa,  minha agenda e minha "necessária" com a escova de dente!!

Pérola 8
(Minha irmã teve piercing no umbigo por muitos anos, e o retirou na primeira gravidez. Mesmo com o buraco fechado, há uma cicatriz que com a barrigona de gravidez fica estufada)
S- Nossa mãe, agora vc tem dois "bigos"

Pérola 9
(Ensinando o marido a falar português através do skype)
S- Tio, esse aqui é o nariz (aponta para o nariz dele), repete comigo N-A-R-I-Z. Tia, fala para ele repetir.
(marido repete)
S- Muito bem (com uma folha na mão ele faz anotações sobre o que marido errou e acertou hahahaha)

Pérola 10 
(Quando fui à praia com a Lua)
E- Este fim de semana fui à praia para levar a Lua para nadar!
S- Tia, pq vc foi na praia e não veio me buscar?
E- Sobrinho, eu moro no EUA, lembra?
S- Mas vc foi na praia, e a praia é aqui perto!! (as noções de geografia dele sempre me "impressionam" hahahaha)

Monday, August 27, 2012

Para Pensar

Faz algum tempo que acompanho a coluna da Eliane Brum. Gosto muito da forma que ela escreve! Mesmo não concordando com a opinião dela (o que admito foram pouquíssimas vezes), acho incrivelmente profissional a forma em que ela aborda assuntos onde a opinião pessoal do escritor influencia bastante o que se escreve. Super indico, ela escreve todas as Segundas feiras.

Em uma das colunas recentes, ela comenta sobre o holocausto, dos descendentes dos perpetuadores deste ato horrendo e dos descendentes de suas vítimas. Um caso que me chamou muita atenção no artigo foi a história de uma mulher chamada Bettina Goring, sobrinha-neta do segundo homem em comando no Terceiro Reich. A história me chamou atenção a ponto de estender minha pesquisa a respeito desta mulher.

Aos 13 anos de idade Bettina saiu de casa para poder lidar com a herança que o sobrenome que ela carrega traz, herança que para ela representa culpa e repulsa. O que mais me deixou intrigada na história é que o pavor que esta mulher, e também o seu irmão, têm sobre a genética que eles carregam é tão grande que ambos decidiram se esterilizar, para garantir que os genes de um assassino não fosse pasado adiante.

A idéia a princípio, me pareceu tão dramática e extremista, mas quando tento me colocar na posição destes irmãos, fico pensando se esta é uma decisão tão extremista assim...

Em geral, acho que focamos tanto nos descendentes das vítimas que esquecemos de pensar nos possíveis efeitos de se ser descendente dos perpetuadores de um dos crimes mais hediondos da história da humanindade.

Como deve ser crescer sabendo que vc carrega o sangue de um assassino? Por mais que saibamos que nada do que aconteceu é culpa da atual geração, eu não consigo nem imaginar como seria minha cabeça se esta fosse a minha realidade!

Estou super curiosa para ver os documentários citados na coluna da Eliane Brum!!

Monday, August 20, 2012

Aproveitando o Domingo

Neste Domingo, 19.08.12, marido e eu resolvemos fazer um bate-volta, ou na linguagem do Tio Sam, uma Day Trip.

Pois bem, eu estava determinada a levar a Lua para nadar hehe A única experiência dela com praia foi em São Francisco.

Image from Arquivo Pessoal
 Mas a água era de congelar a alma, então o máximo que ela fez foi molhar as patinhas correndo com os cachorros que ela fez amizade :)

Image from Arquivo Pessoal
Michigan não é banhando pelo oceano, mas é cercado por lagos.

From Google Images

Até me mudar para esta região dos EUA, eu não aceitava muito bem esta coisa de "Praia" de lago, mas os lagos desta região são enormes e parecem uma praia comum, banhada pelo oceano.

From Arquivo Pessoal
 Resolvemos então ir para o Lado Oeste de Michigan, onde fica o Lago de Michigan e tem várias praias famosas. Encontramos um parque, Grand Mere State Park, que autoriza cachorro na praia, acordamos cedinho, empacotamos para um picnic e seguimos rumo a Praia :)

A praia não estava lotada, havia alguns gatos pingados e seus cachorros :) O lugar é bem bonito e calmo!! O domingo foi super relaxante, ficamos deitados na areia lendo livros, brincamos com a Lua e a forçamos a nadar hehehe

From Arquivo Pessoal


From Arquivo Pessoal

Ela odiou!! Mas já decidimos que antes do verão acabar de vez, nós vamos a este parque de novo, a Lua que se prepare hahahaha

From Arquivo Pessoal
 Nós não levamos guarda-sol, pq achamos que não faria muito sol, mas nos enganamos completamente, foi um dia de céu azulzinho e sol!! Sem sombra, a Lua improvisou :)

 
From Arquivo Pessoal

From Arquivo Pessoal
Ela não gostou de nadar, mas assim como o pai e a mãe, ela simplesmente amou ficar sentadinha, apenas admirando a paisagem :)

Wednesday, August 15, 2012

Sempre devemos pesquisar...

O assunto de certa forma é velho, mas como continuo vendo alguns conhecidos no facebook usando este argumento, eu resolvi publicar alguns fatos relacionados a este tópico aqui no blog também.

O assunto?! O aborto de uma gestação de um bebê anencéfalo. Minha intenção aqui não é discutir quem é a favor ou não, ou os motivos de cada um para a opinião pessoal. O que quero colocar aqui é um fato que vi muita gente usando no fb como uma solução para se justificar levar a gravidez ao término, no entanto, faltam algumas informações nesta solução que alguns sugeriram.

Um número grande de pessoas sugerem que as mães grávidas de um bebê anencéfalo devam levar a gravidez até o final e após o nascimento, quando a criança falecer, realizar a doação de orgãos deste bebê. O grande problema é que teoricamente esta solução parece prática e louvável, mas na realidade ela é quase impossível de se praticar (tentei achar on line casos de sucesso e não encontrei nenhum).

Acredito que todos saibam que para uma pessoa se tornar um doador de orgão viável, precisa-se declarar que o paciente sofreu morte cerebral, ou seja, o cerébro daquela pessoa morreu, mas os outros orgãos continuam viáveis. O grande problema é que estes orgãos não vão continuar viáveis por muito tempo, e por este motivo a decisão sobre a doação de orgãos deve ser feita dentro de um período específico. O que acontece é que após o nosso cérebro "desligar", um a um os outros orgãos vão se desligando.

Agora levando esta aplicação técnica para casos de bebês anencéfalo: O termo anencéfalo é o termo comum utilizado para bebês que sofrem de uma anomalia cerebral incompatível com a vida. De forma não técnica, o anencefalia pode ser caracterizada em outros grupos como a anencefalia completa, onde o bebê não tem o cérebro e o tronco cerebral, e com isso nenhum outro orgão vital funciona. Nestes casos, muitas mães sofrem aborto espontâneo, e em alguns casos elas vão até o final da gestação mas têm o parto de um natimorto. Existe também a anencefalia onde o bebê tem o tronco cerebral formado, e nestes casos grande parte dos outros orgãos vitais continuam funcionando. São estes os casos em que o bebê anencéfalo tem uma maior expectativa de "vida".

Vamos aos problemas técnicos. Um bebê anencéfalo não tem cérebro, logo, não pode ser declarado uma morte cerebral. Qual a implicação disto?! São necessários critérios diferentes para este bebê ser considerado morto, e até estes critérios serem aplicados os orgãos vão aos poucos se desligando.

Então a realidade é que se vc doar os orgãos de um bebê anencéfalo logo após o seu nascimento, vc na verdade estará assassinando o bebê. Sei que o termo assassinato é bastante forte, mas é que a minha idéia é usar o mesmo impacto que se usa quando se fala do aborto e se diz que vc está assassinando o bebê.

Como coloquei para algumas pessoas no facebook: Não se pode chamar o aborto de assassinato e achar que é ok fazer a doação de orgãos sem considerar este ato também um assassinato.

Defender uma causa tudo bem, mas ser coerente e ter o conhecimento do que vc esta defendendo e sugerindo é muito importante!

Como comentei no começo, a idéia neste post não é expressar minha opinão, ou discutir direitos e deveres ou qualquer coisa deste tipo que também implicam na decisão do aborto de um anencéfalo ou não, a idéia é expor um fato, e o fato é que usar a teoria da doação de orgãos não dá nenhum suporte para que alguém seja contra o aborto de bebês anencéfalos.

Sunday, August 12, 2012

Novos caminhos?!

Então que resolvi voltar para a faculdade... O que vou fazer? Por enquanto, apenas aulas de inglês. Esta que vos escreve nunca fez aulas de inglês na vida, e acho que está mais do que na hora de eu tomar vergonha na cara rsrs.

Por motivos que eu não sei explicar, eu tive muita facilidade em aprender inglês. Não existe fórmula secreta, cada um têm um ritmo e uma necessidade para se aprender uma língua. No meu caso, estar inserida na cultura e a obrigatoriedade de aprender, foram (de certa forma) suficientes para mim. Em algumas coisas é engraçado, pq como aprendi a maior parte do meu inglês de ouvido, algumas palavras eu falo sem o sotaque brasileiro, e algumas pessoas fazem piada disso. A justificativa disso é muito simples, eu primeiro aprendi a palavra sem ler, apenas escutando, ou seja, eu passei a repetir a palavra de acordo com o que eu escutava e não o que eu havia lido. Curioso isso né?

Pois bem, apesar de nunca ter feito aulas, meu inglês dá para o gasto. Suficiente para trabalhar, me comunicar e escrever., mas acho que cheguei ao ponto que não estou mais evoluindo sozinha, preciso de mais, principalmente na escrita, então decidi recorrer as aulas de inglês.

Pq decidi fazer na faculdade e não em um curso de inglês para estrangeiros?

Bom, eu tenho pensando seriamente em voltar a estudar. Ainda não sei bem o que. Já pensei em terminar meu mestrado, mas como já cheguei ao máximo que alguém na minha carreira pode chegar sem deixar de clinicar, não estou muito inclinada a seguir este caminho.

Quando comecei minha vida na carreira de ciências, minha grande meta era um PhD. Graças a Deus (e muito trabalho) tive grandes oportunidadaes, e consegui alguns shortcuts que me levaram a uma posição de quem tem mestrado sem ter completado o meu... Hoje repenso sobre o PhD, pq apesar de gostar muito de trabalhar com pesquisa, eu não conseguiria ficar só com a área academica, além do que, planos de aumentar a família hoje têm um peso muito maior do que tinha antes de ter a minha própria família.

Pensei em ir para Nursing school, assim poderia continuar no meu field e ainda acrescentar algumas coisas... Não estou bem certa sobre este caminho... Amoooo ser biomédica, nunca pensei em ser enfermeira, se tivesse sonhado com isso teria corrido atrás no Brasil, mas nunca mesmo foi algo que considerei.

Sou daquelas que segue sonho, desejo... Na Biomedicina ouvi diversos profissionais reclamando que ganhavam pouco, que haviam se formado e nunca trabalhado na área, e mesmo assim nunca desisti. Amo a biomedicina, e por isso escolhi esta carreira. Mesmo com todas as dificuldades da área, desde que me formei eu nucna trabalhei em outra coisa que não fosse biomedicina, e posso dizer hoje que estou bem estabelecida no meu campo e com um salário que não posso reclamar. Sou daquelas que paixão tem que me levar para o estudo, e apesar de achar enfermagem super bacana, não acho que tenho paixão pela profissão...

Marido me sugeriu medicina... Putz, estou com 28 anos, certeza que vou precisar de umas classes pre meds. Se decidir entrar neste barco, em menos de 10 anos não viro médica, e aí, onde vão entrar os pandas? hahaha E ainda falta paixão pela profissão...

Teve gente que já me falou para sossegar o faixo e parar de procurar sarna rsrsr Mas eu sou assim, preciso me sentir desafiada constantemente, e cheguei em um momento da minha carreira que não estou me sentindo mais desta forma. Amo o que faço, e não quero largar nunca, mas sinto que preciso acrescentar mais nos meus desafios diário!!

Bom, estou aqui nesta indecisão... Pois é, tenho faniquito, e não consigo simplesmente ficar parada e aproveitar o momento que estou. Sou do tipo que alcança uma meta e precisa de outra.

Aproveitei o que podia da posição que estou, mas como diz o marido, já estou bored com a estabilidade!

Por conta de toda esta indecisão, eu decidi por fazer inglês na faculdade e não com tutor ou escola para estrangeiros. Além de melhorar meu inglês, eu estarei acumulando créditos que poderei utilizar no futuro, se decidir realmente voltar a estudar!!

Vamos ver onde este barco vai me levar :)

Sunday, August 5, 2012

Coisas dos EUA

Eu uso cartão de crédito para tudo, tanto eu quanto marido.

No Brasil já era assim, e aqui tenho cartões de créditos com descontos específicos; Sei que muita gente acredita que ter cartão de crédito é loucura e te faz gastar além do que pode. Concordo em partes. Sou extremamente chata com as minha finanças, e como em muitos outros segmentos da minha vida, há regras estritas, e uma delas é de nunca efetuar o pagamento mínimo do cartão, pq é aí que o problema se inicia. Por conta deste controle rígido que temos, marido e eu nunca nos enforcamos por conta do cartão.

Na mão contrária, nunca gostei de trabalhar com cheques, não usava no Brasil e aqui tenho apenas pq em algumas situações não temos outra opção, apenas a de usar cheque.

Ter um talão de cheque aqui funciona um pouco diferente de como é (era?) no Brasil. Quando vc abre a sua conta no Banco eles te dão um talão, quando este talão acaba vc precisa solicitar outros, e vc pode solicitar através do banco ou através de outras empresas que são especializadas em talão de cheque. Acho esta possibilidade super curiosa, e o mais curioso ainda é que vc pode personalizar a aparência do seu cheque.

Recentemente pedi novos talões, me diz se não ficou a coisa mais fofa?? Dá até vontade de usar mais cheques rsrs

From Arquivo Pessoal