Sunday, July 20, 2014

Sotaques



Sotaque é uma coisa engraçada, todo mundo tem, mas uma grande maioria não quer admitir que tem ou se recusa aceitar que tem rsrs

Também acho que sotaque contagia. Sempre que eu passava minhas férias fora da cidade de São Paulo, eu voltava com o sotaque de onde fiquei hospedada misturado com o meu sotaque de paulista.

Aqui nos EUA, assim como no Brasil, as regiões tem sotaques diferentes. Eu aprendi meu inglês no Midwest Americano, então meu sotaque é do Midwest misturado com o meu sotaque brasileiro/paulista.

Vejo muita gente falar do sotaque como se fosse algo para se envergonhar. Já escutei milhões de vezes, brasileiros que moram no exterior há muito tempo, vir com o papinho de "não tenho sotaque." Colega, sinto em lhe informar, mas você tem sim!

Existem profissionais fantásticos que fazem sotaques de outros lugares muito bem, mas todas as vezes que eles estão em uma conversa/entrevista em que eles são eles mesmos, o sotaque de sua língua mãe está lá. Isto acontece porque falar apenas com um sotaque diferente do seu não é natural, é trabalhoso. Não importa a sua fluência na língua, sotaque não é falar errado, sotaque é a sonorização do que falamos.

Até hoje, nunca errei ao reconhecer um brasileiro falando inglês. A forma como falamos certas palavras em inlgês é facilmente reconhecível. Sim, umas pessoas tem sotaque mais forte que outras, mas esta história de que a pessoa não tem sotaque é mentira. Além do sotaque, tem os maneirismos. Estes sim são evitáveis sem muito trabalho, mas o sotaque, esquece, você vai carregar com você o resto da sua vida se a outra língua passou a fazer parte da sua vida cotidiana depois do período da infância.

Assistam as entrevistas de famosos brasileiros que moram há muitos anos no tio Sam e tem um bom inglês, como por exemplo, Gisele Bundchen e Camila Alves. Ambas falam inglês muito bem, mas ambas tem o sotaque de sua região no Brasil o que faz a sonorização de como elas falam um pouquinho diferente. No entanto, se você prestar atenção em certas palavras, é possível ver que a pronúncia delas é bem parecida uma com a da outra, mas não exatamente parecida com a de um americano cujo inglês é a língua mãe.

Eu percebo também uma diferença de sotaque em quem aprendeu o inglês do método tradicional (escola de inglês, livros, professores) e quem aprendeu o inglês de ouvido. Esta diferença fica bem mais sutil com o passar dos anos, mas ainda é perceptível com certas palavras.

Eu não tenho nenhuma vergonha do meu sotaque, ele representa minha história cultural, minhas raízes, enfim, ele é parte do que sou e tenho um orgulho danado do que sou :-)

Wednesday, July 9, 2014

Oi :-)

A Aline lá da adolescência, idealizava que aos 28 anos seria uma pessoa realizada profissionalmente e com 3 filhos. Quem acompanha o blog há algum tempo, deve se lembrar que casar nunca fez parte da minha fantasia, mas ter filhos sempre fez.
Aqui estou, 30 anos de idade (31 batendo à porta) casada e morando em outro país. Planos que nunca idealizei, mas que abracei quando os mesmos apareceram na minha vida.

Sobre a realização profissional, atingi e superei todas as metas e planos que criei, mas ao longo do caminho aprendi que após cada realização, veio a necessidade de novos desafios. Por isso, percebi que a estabilidade profissional, no meu caso,  é a capacidade de sempre acrescentar mais e não de atingir um lugar e estacionar ali.

Filhos acabou por se tornar uma conversa muito mais complicada, por conta da endometriose que me levou a optar por cessar minha menstruação. Apesar da certeza que marido e eu sempre tivemos sobre querer filhos, nós não sabíamos se gerar um filho biológico fazia parte da nossa realidade.

Obviamente, houveram muitas e muitas conversas e para tentarmos ter um filho biológico, eu ainda precisava me preparar psicologicamente para voltar a menstruar.

Enfim, tudo isso para falar aqui o motivo do meu distanciamento nos últimos meses: pandinha está a caminho ;-) Tudo aconteceu muito mais rápido do que imaginávamos que aconteceria e nem precisei usar as minhas habilidades profissionais!
O primeiro trimestre ficou oficialmente para trás. Um primeiro trimestre nada fácil, eu devo admitir. As coisas ainda não estão 100%, então não sei com que frequência vou conseguir aparecer por aqui e comentar nos blogs queridos, mas eu não queria mais deixar o blog no suspense e tbm não via a hora de dividir a notícia por aqui ;-)