Monday, December 10, 2012

1 ano se passou

Já avisei que estou corrida, né?! Mas não custa falar de novo!

Estou em débito com várias meninas por aqui!! Tantas celebraram datas importantes nos últimos meses e eu nem tive tempo de passar para dizer um Parabéns!! Mil desculpas! O ritmo está bem frenético, mas espero conseguir me redimir em breve!

Hoje, estou aqui pq quero deixar registrado alguma coisa para o meu Aniversário de 1 aninho de casada!! O tempo passou voando!

Para comemorar, marido vai puxar shift duplo no departamento de emergência, e eu estarei driblando minhas (não suficiente) 24 horas entre trabalho, levar Lua no veterinário para emissão do certificado de viagem, e prova na faculdade! Pois é, o mundo não está nem aí que é meu aniversário de casamento :(

Este um ano passou voando! Nem acredito! Parece que foi ontem que estávamos no Brasil, na correria para os preparativos. Agora estamos aqui, devidamente casados e ansiosos para assistir ao vídeo (ao invés dos meus pais me enviarem qndo ficou pronto, optamos por esperar e pegar quando fôssemos ao Brasil).

Que venham muitos e muitos outros anos ao lado deste meu Ogrinho, que é só meu e que amo de Paixão!!

Wednesday, November 28, 2012

Dia do Fico


Muita coisa para fazer, trabalho está loucura!! Estou uma pilha de estress hehehe mas vamos que vamos!!

Como comentei sobre a aflição por aqui, resolvi passar rapidinho só para dizer que: "Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga aos Ann Arborite que fico." adptando a frase de  Dom Pedro :-)

Pois é, saiu o resultado do fellowship do Marido, por mais três anos estarei aqui em Ann Arbor!!

Obrigada à todas que torceram por nós!! Depois conto como foi o fim do processo!

Wednesday, November 14, 2012

Estamos carente de heróis

Sumi um pouquinho né?! Mas é que a semana que passou foi cheia. Aniversário de casamento civil, aniversário de 30 anos do marido e nosso aniversário de casamento religioso (celebração mensal), assim, seguidinha! E todos os dias mereciam suas comemorações individuais, então foi correria, mas foi bacana :) Agora estou de volta, e a próxima celebração já é em Dezembro; 1 ano de aniversário de casamento e o meu niver!! Fim de ano é sempre cheio por aqui!!!



E de volta a programação...


Como já citei milhões de vezes, tenho opinião para tudo, e lá vou eu expressar mais uma hehehe

Vira e mexe vejo na minha time line do FB fotos com mensagens sobre o atual presidente do STF Joaquim Barbosa. Acredito que todo mundo esta ciente que ele é o relator do processo do mensalão, pelo qual ele foi elevado à título de herói por uma grande parcela da sociedade brasileira.

Eu não acompanhei todo o processo do mensalão, e se disser aqui que "manjo" para danar de política estarei mentindo. Me interesso, me envolvo, mas definitivamente não é meu maior interesse.

No entanto, o que quero falar neste post, não é sobre a política mas sim sobre o título de herói. 

As fotos e textos na minha timeline falam do Barbosa como se ele fosse o último homem honesto do mundo. Olha, eu apoio e acho sim que atitudes corretas devem ser valorizadas. Acho bacana compensar alguém por estar fazendo algo direito, mas daí a passar a endeusar alguém por realizar o seu trabalho corretamente, eu acho demais!!

O fato de ele estar agindo de acordo com aquilo que ele é muito bem pago para fazer, não é mais do que a obrigação dele. Para mim, ele não é um herói, ele é um bom funcionário. Ele merece sim atenção, mas não acho que merece ser elevado a santificação.

Entendo que o fato de termos tanta gente corrupta na política nacional, faz com que nossa admiração à alguém que tem a postura esperada (honesta) é maior, mas sinceramente, eu não penso assim. Acho que a atitude errada deve ser condenada, que a atitude certa deve ser estimulada, mas não que seja tratada como algo extraordinário, algo sobre-humano. Detesto esta idéia de pessoas comuns que cumprem suas funções e são elevadas a posição de Deuses. Heróis de uma sociedade afligida por grandes vilões... E aí as pessoas passam a acreditar que estes grandes Deuses vão operar um milagre...

Acho este pensamento tão de HQ... Eu não quero um herói, eu quero um bom político que apenas cumpra os eu papel. Sobre o ministro Joaquim Barbosa, eu o parabenizo pelo trabalho no julgamento do mensalão, mas dizer que ele é meu herói, que ele deveria concorrer a presidência do país ou que ele é o "Último Boy Scout ou o Último Samurai" (hehehe sim sim, eu adoro filmes) sinto muito, mas ele vai precisar fazer algo muito além do que ele é pago para fazer, para eu considerá-lo desta forma. 

Monday, November 5, 2012

Selinho

A fofa da Monique me indicou este selinho!! Obrigada, flor!! Eu adoro estes selinhos que nos fazem falar um pouquinho sobre nós, então vamos lá.

O selo é destinado à blogs com menos de 200 seguidores. Ao receber o selinho, é necessário que a pessoa faça uma lista de 11 coisas que a deixa extremamente feliz. A minha lista é (sem ordem de preferência):

1. Conversar com o meu sobrinho - Falar com o meu gordinho me enche de uma felicidade que não cabe em palavras. São tantas emoções, que cada vez que escuto o "Oi Tiaaaaaaa" eu choro hahahahahaha

2. A felicidade da Lua quando chego em casa - Não importa se eu saí por dois minutos ou se foi o dia inteiro, quando chego em casa a Lua faz uma festa danada. Meus amigos sempre falam para eu filmar, pq ela faz um verdadeiro escândalo. Ela pula, grita, faz resmungos quando à abraçamos... Ao mesmo tempo que ela está feliz, ela está brava como se dizendo "Nunca faça isso de novo" é muito fofo!

3. Passar o Natal com a minha família no Brasil - Até hoje (desde que nasci até agora) eu passei apenas 2 Natais longe da minha família, e foram uma tortura! Poder estar com eles neste dia tem um significado enorme para mim! Aliás, para nós, nem eu nem minhas irmãs passamos o Natal longe dos meus pais!

4. Viajar - Eu amo viajar! Como a Monique colocou no blog dela, não importa se é para a cidade vizinha ou para o outro lado do oceano, viajar sempre faz bem para a minha alma e meu coração!

5. Sair com os amigos - Eu não sou lotada de amigos, mas a maioria dos amigos que tenho são aqueles que fazem parte da minha vida desde sempre! E me faz extremamente feliz poder me reunir com eles... Lembrar coisas doidas que fizemos... Conversar sobre assuntos malucos e existenciais... Me reunir com os amigos é certeza de bate papo gostoso!

6. A possibilidade do amanhã - parece meio estranha esta né?! O que quero dizer é sobre a felicidade que sinto em saber que estou trilhando os caminhos que escolhi e que com eles estou sempre deixando portas abertas para o meu amanhã.

7. Alcançar objetivos - Como a Monique também comentou no blog dela, poder alcançar uma meta traçada é algo que traz muita felicidade!! Sensação de missão cumprida!

8. Ficar de bobeira - não o tempo todo, mas pausas em semanas frenéticas em que posso ficar de bobeira "morgando" na frente do computador vendo uma das 26 séries que sigo rsrsrs, é algo raro, e quando acontece me deixa muito feliz.

9. Minha profissão - amo o que faço, e me enche de alegria cada vez que paciente volta com resultado de gravidez positivo e nos mandam fotinhos quando o bb nasce!

10. A filha da minha vizinha - hahaha loucura né? Mas gente, a filha da minha vizinha é uma das coisas mais fofas que faz parte da minha vida! Só de ouvir a voz dela na porta gritando "Neenee home" eu já abro um sorriso de orelha a orelha! Ela faz um bem danado ao meu coração!

11. Dormir ao lado do marido - meu marido é um ogrinho, que ronca que é uma belaza, mas eu detesto dormir sem ele. Nós nem dormirmos conchinha hahaha ele reclama que meu corpo é muito quente, mas ter ele ali, deitadinho do meu lado me faz feliz todas as noites.

Monday, October 29, 2012

Sempre com o coração nas mãos


Esta sempre foi a realidade da minha família. Já comentei aqui que meu pai é militar certo? Hoje ele está aposentado, mas a tranquilidade que pensamos que iria vir com a aposentadoria está muito longe de ser alcançada.

Cresci em um ritmo de sempre alerta. Este é o lema da família. Meu pai não apenas trabalhava para prender os bandidos "comum" (me falta palavras para melhor expressar o termo) mas também para prender os bandidos fardados. Ele fazia parte de um grupo específico dentro da polícia militar que trabalhava disfarçado. Por conta desta carreira, foi comum desenvolvermos hábitos para assegurar nosso bem estar físico. Nossa família era constantemente ameaçada, e obviamente, meu pai também. Diversas foram às vezes, quando criança, em que eu precisava ir para escola com escolta. Em muitas outras ocasiões a equipe que meu pai trabalhva se revesava em horas de folga para manter a nossa casa e dos outros membros da equipe vigiada. Dentro do próprio quartel haviam listas espalhadas sobre os políciais que deviam ser morto, e o nome do meu pai estava sempre lá. Uma prática bem comum para intimidar àqueles que querem trabalhar correta e honestamente.

Na minha casa, horários sempre foram seguidos com muita disciplina. No entanto, sempre com o cuidado de não se criar rotina, pq com a rotina vc cria oportunidade para àqueles que querem te matar. O imprevisto sempre devia ser previsto. Se estávamos fora e íamos nos atrasar, meus pais precisavam ser notificados, não importava se eram 5 minutos de atraso, e a mesma coisa com os meus pais, eles sempre precisavam nos informar de atrasos. Marido acha isso loucura, pq lógico que trouxe este costume para nossa vida, e o ritmo continua o mesmo com os meus pais. Todos os dias eu ligo para eles no mesmo horário, se eu atraso (hoje a tolerância é maior rsrs 15 min) eles me ligam. Como antes, o imprevisto precisa ser previsto rsrs Se existe a possibilidade que vou me atrasar, aviso eles com antecedência. Marido fica enlouquecido com isso! A verdade é que da forma que crescemos, um atraso poderia significar muitas coisas, e geralmente não boas.

Minhas irmãs, eu e minha mãe aprendemos a atirar. Nossa casa sempre teve armas localizadas em pontos estratégicos para que pudessemos nos defender. Alguns podem achar isso exagerado, mas a nossa casa já foi invadida por pessoas que entraram atirando, ou seja, eles não estavam querendo nos assaltar. Temos planos para as mais diveras situações em que algo possa acontecer. Na escola, a profissão do meu pai sempre foi servidor público, ninguém podia saber que ele era policial. Aprendemos a estar sempre alerta. Somos neuróticos, de acordo com marido rsrsrs Uma amiga sempre fez piada, que ver minha família chegar em casa era como ver um grupo de ações táticas de filme rsrsrs Estamos sempre com a nossa gurada levantada. Imagine os traumas que marido criou quando foi a primeira vez ao Brasil conhecer minha família?! rsrsrs

Este sempre foi o ritmo da minha familia. Prestamos atenção em todos os carros que dirigem ao nosso redor, às pessoas que estão caminhando a nossa volta. Isso me fez uma pessoa extremamente observadora, detalhista. Sempre observo a placa dos carros (aliás, sei todas as letras do alfabeto internacional utilizado pelas polícias), observo detalhes das pessoas, características físicas e vestimentas. Preciso ser capar de identificar tudo que está a minha volta, foi assim que meu pai nos ensinou, e não sei e não quero ser de outro jeito.

Meu pai se aposentou, mudou de cidade, e nós achamos que pelo menos um pouco de nossas preocupações com ele seria amenizada. Minha avó ficou doente, ele precisou voltar para a cidade. A preocupação aumentou, claro, mas ainda achamos que seria controlável, ai começou mais uma onde de ataque aos policiais.

Para quem acompanha as notícias, viu que 85 policiais militares aposentados ou não, foram assasinados este ano. Não estou falando de policiais morto em serviço, estou falando de assassinatos. Não é a primeira vez que uma ação coordenada como esta acontece no estado de São Paulo. O PCC (facção criminosa) paga muito bem pela cabeça de um policial. Recentemente, após a morte do que se acredita ser membros da facção criminosa pela ROTA, uma nova onda de ataque foi ordenada, desta vez, nem os aposentados deveriam ser poupados. E assim tem sido, policiais de folga, civis que estão com eles e policias aposentados teêm sido assassinados dia sim dia não. O pior é que como citei anteriormente, há ainda os bandidos fardados, que estão fazendo parte deste esquema. É como o caso de um policial morto, na baixada santista, por colegas de serviço (após investigação, parece que dois policiais militares e um civil cometeram o crime, receberam 500.000 pela cabeça deste policial que vinha atrapalhando o desenvolvimento de crimes no litoral paulista). As famílias também estão sendo atacadas. Se um policial não consegue ser alcançado, algum mebro de sua familia é sequestrado para que cheguem até ele.

O pior é alguns policiais que se sentem injustiçados e desamparados pelo sistema governamental, criam grupos de extermínio e a matança está correndo solto por aquelas banda brasileira.

Eu queria muito que meu pai viesse passar meses comigo, até a poeira baixar um pouco (assentar mesmo eu não vejo que vá acontecer). Infelizmente, 12 horas de vôo não é algo que ele esteja pronto para encarar. Enquanto isso, fico aqui com o coração na mão, e ele lá, do mesmo jeito que foi a vida inteira, constantemente preocupado que ninguém da família esteja com ele quando ele for atacado. Pq este sempre foi o pensamento,  qqr vacilo ele e nós seremos atacados, por isto precisamos estar previnidos.

Eu queria absurdamente que os políticos estivessem menos preocupados com as eleições e mais preocupados com a segurança do estado.

Monday, October 15, 2012

Marido e as aulas de Português


Marido começou a ter aulas de Português :) Não é assim nenhum curso para torná-lo fluente.

É um curso para inciciantes, para ajudá-lo a se familiarizar com a língua. A idéia é que eu consiga sair de casa e deixar ele se "comunicando" com os meus pais. É super cansativo ficar posando de intérprete o tempo todo. Tem também meu sobrinho, que é doido para tentar entender o que o marido fala! Espero que a próxima viagem ao Brasil seja mais produtiva em termos de comunicação!

Ele tem apenas uma aula por semana, e o curso durará 10 semanas, com aulas de 2 horas. Marido está gostando das aulas, e volta para casa sempre empolgado com as novas palavras. Espero que dure rsrsrs

Enfim, quero falar sobre as conversas pós aula:

1. Primeiro dia de aula

M- Babes, a professora fala algumas palavras diferente de vc...

A- Como assim?

M- Por exemplo, quando ela fala "este", ela fala e"ssss"te.

A- Sua Professora é carioca??

M- Como vc sabe?!


2. Ajudando ele nos exercícios de greetings

M- Boa tarde, Aline. Como vai?

A- Babes, a gente não usa muito o "Como vai". Vc vai ouvir mais o "Tudo bem?"

M- Mas a professora está enfatizando no apenas "Como vai?"

A- Ok, mas tenha em mente que vc vai ouvir tudo bem...

M- Vc não sabe Português!! (resposta com o rosto de uma crianca de 5 anos rsrsrsrs)


3. Arriscando palavras novas comigo

M- Babes, eu tenho muiiiiiiito (ele dá uma grande ênfase no "i" rsrsrs) "dedendo de casa".

A. O quê?

M- Dedendo de casa. Homework!

A- Lição de casa?

M- Nãooooo!

A- Trabalho para casa?

M- Nãoooooooo!

A- Não faço idéia do que vc está falando.

M- Eu escrevi no meu caderno, perae que te mostro. (busca o caderno e eu leio "dever de casa")

A- Ahhhh isso é lição de casa!

M- Não a professora disse que é dever de casa.

A- Bom, em todos os meus anos de escola, eu nunca tive um professor que dissesse dever de casa, sempre foi lição de casa. Deve ser uma diferença de linguagem por conta da área onde crescemos no Brasil...

M- Estou impressionado o quanto vc já se esqueceu de Português. (Acha que virou especialista rsrsrs)


Esse meu marido me mata de rir

Thursday, October 11, 2012

Reflexões de uma adulta

Sempre falam que quando nos tornamos pais, entendemos melhor a atitude dos nossos pais. Acredito que não apenas quando viramos pais, mas o amadurecimento também nos faz entender algumas atitudes.

Todo este processo de entrar na faculdade, de novo, me trouxe memórias. Memórias tristes da primeira vez que entrei na faculdade.

E pq resumir uma história não é exatamente meu forte rsrsr Vamos ao começo :)

Eu estudei a minha vida inteira em escola pública. Aliás, da minha primeira série até o terceiro ano do segundo grau, eu estudei exatamente na mesma escola! Meus pais nunca puderam me pagar uma escola privada. Apesar de valorizarem absurdamente a edução, eles estavam muito ocupados pagando as contas para termos uma casa e o que comer.

Fazer faculdade era um objetivo que nada nem ninguém me fariam desistir. Meus pais sempre me apoiaram em correr atrás dos estudos, mas na cabeça do meu pai existia um porém, eu precisava estudar em uma faculdade pública.

Apesar de me considerar uma pessoa bastante inteligente (e modesta rsrs) eu não sou assim nenhum Einsten. E quem estudou em escola pública sabe o quanto o ensino, infelizmente, é limitado. Eu corri atrás do que podia, mas não foi o suficiente. Minha única possibilidade, mesmo entre as faculdades públicas, era passar na USP. Não havia a mínima chance de eu mudar de cidade, pois meus pais não teriam nunca como me ajudar a me manter em outro lugar. Faltou pouco para eu passar para a segunda fase na USP, mas não importa o quanto faltou, a realidade é que eu não tinha passado e pronto! E vamos para a realidade, passar a primeira fase de medicina da USP é muito mais fácil do que passar a segunda rsrsrs

Pois bem, terminei o ensino médio e a faculdade não entrava no schedule naquele momento. Então fui trabalhar. Minha primeira entrevista, foi em uma loja. Na entrevista a dona da loja me perguntou o pq eu queria trabalhar lá, e minha resposta foi a mais sincera possível: Eu queria ter estrutura financeira para poder me sustentar em uma faculdade privada. Consegui o emprego, e até hoje a minha antiga chefe (hoje minha amiga pessoal) fala que nunca teve uma funcionária tão determinada a fazer faculdade rsrsrs.

Eu também não queria fazer qualquer faculdade privada. Me desculpem, mas estava determinada a ter o meu bacharelado não apenas para ter um diploma, mas para aprender e tirar da faculdade todo o tipo de conhecimento que podia. Então encarar as Unibozo não dava. Não sou esnobe e nem desvalorizo pessoas que fizeram faculdade em qualquer instituição específica, mas para mim, ter aula de anatomia com bonecos era algo inadimissível.

Bom, uma faculdade privada boa, custa o olho da cara e mais um rim :)

Fiquei 3 anos juntando dinheiro, e estudando por conta própria nas minha horas vagas. Quando achei que tinha dinheiro suficiente para alguns meses de faculdade, eu prestei o vestibular. Meu pai não queria de jeito nenhum que eu fizesse faculdade privada. Nós não tinhamos condições de manter meus estudos. Ele acreditava que eu conseguiria entrar na USP se continuasse estudando. Talvez sim, mas já faziam 3 anos que eu estava fora dos estudos, e eu não queria deixar o tempo passar ainda mais.

Fiz o vestibular e passei. E pq sou cagada mesmo... rsrs No ano anterior ao vestibular que passei, a Universidade dava bolsa de 100% para os 5 primeiros colocados vindo de escola pública. Eu fui a primeira colocada dos estudantes de escola pública, e a nona no ranking geral. No entanto, naquele ano, eles haviam cortado a bolsa :(

Não desisti. A idéia era sofrer quando tivesse que sofrer rsrsrs Fiz a minha matrícula, e quando voltei para casa tive uma das piores discussões, da minha vida, com o meu pai. Ele estava bravo por eu ter feito a matrícula. Ele estava bravo por eu não ter esperado mais e tentando na USP. Ele estava bravo por milhões de motivos. E eu fiquei brava com ele. Ele disse para eu cancelar minha matrícula, e eu disse que não o faria. Foram horas de discussão. Por muito tempo fiquei magoada, por muito tempo fiquei ressentida, mas passou. Com o tempo ele viu que mesmo com dificuldade, eu estava conseguindo, e me formei. Minha colação de grau foi extremamente emocionante, com o meu pai e minha mãe chorando de soluçar, e lógico que eu também. Fui a primeira a me formar em minha família!

Como comentei no começo, o início da segunda faculdade trouxe estas memórias à minha cabeça. E com as memórias, as análises. Desta vez, a coisa foi tãoooo diferente. Meu pai ficou super empolgado com a idéia de eu voltar para faculdade. Ele tem um pouco de dificuldade em entender que eu não preciso escolher um curso ainda, que posso fazer matérias básicas, mas ele está dando full support, para seja la o que for.

Com a análise veio as lembranças de outras situações. Coisas que na época da minha primeira faculdade eu não levei em conta, e meu pai talvez por vergonha, nunca expressou seu real sentimento.

Anos antes de eu entrar na faculdade, minha irmã mais velha havia tentando também. Ela só conseguiu fazer um semestre, pq como ela não conseguia pagar as mensalidades, ela não pode se matricular para o segundo semestre. Meu pai tentou bolsa, tentou ajuda do governo... Ele tentou tudo que estava ao alcance dele. Ele e minha irmã foram se reunir com o reitor da faculdade, e chorando meu pai explicou toda a situção para o reitor. Meu pai disse que faria tudo para que minha irmã conseguisse estudar, mas que algumas linhas ele não estava disposto a cruzar. Como policial, todos nos sabemos que ele poderia seguir alguns caminhos não muito honestos, e nossa vida seria diferente, mas este não é o meu pai. O reitor disse que não havia nada que eles podiam fazer. Eles perdoaram a dívida da minha irmã, mas ela não pode continuar estudando. Minha irmã ficou devastada! Meu pai também.

Hoje penso na dor que meu pai deve ter sentido. Penso na frustração e na impotência que devem ter tomado conta dele por muito tempo. Aí penso o quanto o dia da minha matrícula trouxe todos estes sentimentos de volta. Ele poderia ter agido de forma diferente comigo? Com certeza, mas hoje consigo ver com clareza o quanto deve ter sido bittersweet minha entrada na faculdade. Consigo ver o quanto ele tinha medo que eu acabasse devastada como a minha irmã.

Fiz o 4 anos de faculadade. Não foram fáceis! Trabalhei os primeiros 3 anos na loja, e os horários eram bem puxados. Meu salário ia todinho para as minha mensalidades, que na verdade estava pagando parcialmente, pois havia feito financiamento. Mas nos 4 anos que estudei, mesmo com todo o medo que hoje tenho certeza que meu pai sofria, ele me apoiou no que podia. Com o tempo, ele foi vendo que eu conseguiria e que ele tinha me educado para lutar até o fim pelos meus sonhos. 

Hoje estou devidademente formada e minha irmã também. Toda a chateação e a mágoa do dia da matrícula há muito se foram embora. Eu e meu pai temos uma relação única, do tipo que foi ele quem me acompanhou na primeira visita ao ginecologista... E claro que o fato da minha matrícula não havia abalado esta relação. E hoje, após a análise mais madura e centrada rsrs Rola até um sentimento de que eu exagerei na época. Desistir não ia ser nunca uma opção, mas eu poderia ter sido um pouco mais compreensível... Oh well, é passado ;)

Tuesday, October 9, 2012

Vergonha

O conhecimento musical do marido é tão bom quanto o meu conhecimento em mecânica.


Não que marido saiba mecânica rsrsrs, é que eu precisava de uma referência de algo que eu não tenha a mínima noção :).

Voltando rsrsrs Já falei aqui que minha vida tem trilha sonora, e que de todas as bandas meu amor disparado é do U2.

Depois que marido passou a conhecer o U2, todas as músicas que escuto, ele acha que é deles.

A coisa chega a ser rídicula.


"Eu conheço essa música. É do U2 né?"

"Nãoooooooooo!!"

 Vergonha Master pelo Marido!

Pq achar que U2 e Pink Floyd é a mesma banda, é como achar que Verão e Inverno são as mesmas estações!

Monday, October 8, 2012

Reclamões

Eu tenho uma paciência de Jó, no geral hehe. Cinco anos trabalhando em loja, definitivamente, me fizeram aperfeiçoar algo que já fazia parte da minha personalidade. Mas se têm uma coisa que minha paciência fica bem pequenina é com idoso rabugento e mal educado (pessoa rabugenta no geral me estressa, mas vejo muito mais idoso rabugento, então vou falar deles).

Situação 1
Fui com a minha vizinha comer um brunch. A maioria dos restaurantes de brunch, por estas bandas, ficam lotados de fim de semana. Como não fizemos reserva, ficamos na fila esperando lugar para sentarmos. Restaurante pequeno, e funciona no estilo first come fisrt served. A fila estava bem grande, e minha vizinha e eu estávamos para o lado de fora da porta.
Pois bem, minha amiga têm uma filhinha (já comentei dela aqui, é a que fico de babá vez ou outra). Ela é uma graça, mas como a maioria das crianças de dois anos, ela não para. Ela conversa o tempo todo, e enquanto estávamos na fila, ela aproveitou para explorar lugares próximo aonde estávamos. Eis que do nada, uma Senhora (S) vira para nós e solta: (google translator ativado rsrs)
S- Vcs sabem que isto é uma fila, né?.
E- (eu e minha vizinha nos entreolhamos) Sim, sabemos.
S- Não parece, a criança não consegue ficar parada...

O que responder para uma pessoa sem o mínimo de noção? Foi o que fizemos, não respondemos nada! Com o mau humor da senhorinha, era capaz da fila virar um barraco rsrsrs   


Situação 2
A maioria das portas de comércio, na Terra do Tio Sam, tem um disposito que vc pressiona para que a porta se abra automaticamente.

Estava eu, entrando bonitinho no prédio onde trabalho, quando um senhor foi se aproximando. Meu tempo é bem apertado (gasto cada segundo que posso na cama) então eu não tinha tempo de ficar segurando a porta para ele, o que eu fiz? Apertei o botãozinho para manter a porta aberta. Estou apertando o segundo botão (são duas portas) quando o senhorzinho solta bem alto "Vejo que vc gosta de trabalhar bastante para abrir a porta para vc mesma toda manhã".
Minha gente, foi um comentário de uma ironia tão desnecessária que não consegui ficar quieta não hehehe Respirei fundo para não soltar um f* e disse "Desta forma, eu consigo ser educada e manter a porta aberta para o senhor e não me atrazar para o meu trabalho. Tenha um bom dia!"

Eu lá, exercendo a educação que minha mãe me deu e ainda tenho que escutar essa?! Eu sou super pró a respeitar os idosos e tudo mais, mas tem idoso que acha que pq é idoso, tem o direito de ser reclamão, rabugento e mal educado!! Me irrita rsrs

Monday, October 1, 2012

Escolhas

Pq meus posts sempre saem de conversas recentes rsrsrs Deixa eu falar de mais de um dos meus bate papos, o tema era: Príncipe Encantado.


From Google Images

Muitas das minha amigas que estão casando, me contam histórias terríveis de relacionamentos passados. Contam o quanto se relacionaram com tralhas até encontrarem o Príncipe Encantado com quem vão se casar..

Sempre que escuto isto penso o quanto eu sou "torta" rsrsrs Pq assim, eu namorei o Príncipe Encantado por 9 anos, e acabei me casando com um mundano rsrsrsrs Entendam que eu amo meu marido absurdamente, que o acho perfeito para mim, e que sempre soubemos que iamos acabar casados, mas ele não tem nada de Encantado :)


From Google Images. Marido está muito mais para Shrek do que para Encantado rsrs

Já ouvi de muita gente que fui sortuda, o que me perdoem, eu discordo. Eu não acho que se relacionar com pessoas "certa" seja uma questão de sorte, mas sim de escolha. Pq geralmente o acaso (ou destino o qualquer coisa que queremos acreditar) tráz pessoas à nossas vidas, mas nós só as mantemos nela se assim o quisermos! Eu sei que nem sempre é fácil se livrar de um relacionamento abusivo e que tem muita coisa envolvida. Mas o que quero dizer é que no fim, somos nós quem controlamos nossas vidas e com quem nos relacionamos. As pessoas que nos cercam estão nos cercando pq escolhemos que elas fizessem parte de nossas vidas, somos nós que nos deixamos ser tralhadas (novamente, não estou discutindo a dificuldade e problemas que nos levam a viver estes tipos de situações, e nem estou dizendo que somos culpadas por pessoas que tem personalidades tralhas, estou falando sobre a escolha de continuarmos com estas pessoas ou não ok? Melhor deixar isto claro ; ).

Já comentei várias vezes por aqui que antes do marido, eu havia saído de um relacionamento de 9 anos. Aí um monte de gente pensa que o cara devia ser um trolha, pq namoramos nove anos e não nos casamos... Que ele me enrolou e todas estas coisas que as pessoas preferem acreditar. A real da história é que se for para dizer que alguém enrolou alguém, definitivamente eu sou a culpada.

Ele é o Príncpe Encantado. Eu não tenho nada para falar de negativo dele. Ele não era perfeito, como eu também não sou, mas ele era um p* de um namorado. Minha família o adorava, meus amigos o adoravam, eu me dava super bem com a família dele... Ele me apoiava em absolutamente tudo. Me ajudava de todas as formas que qualquer namorada podia esperar. Finaceiramente ele já estava estável!! Enfim, o cara que muita menina sonharia em casar. Os noves anos ao lado dele foram anos muito bons. Ele era um amigo que eu sabia que podia contar. Aí um dia ele chegou e disse que estava na hora de tomarmos um rumo na nossa vida, e que já era tempo de nos casarmos... Quando tive esta conversa com ele, milhões de questões começaram a surgir na minha cabeça... E aí comecei a perceber que aquela pessoa maravilhosa que estava na minha vida, era um amigo maravilhoso, não o homem com quem eu queria me casar. Percebi que nossos caminhos eram diferente. Eu sinto falta dele sim, gostaria muito que a nossa amizade tivesse continuado após o relacionamento (continuou por um tempo, mas quando ele começou a namorar ela não gostou muito da idéia). Eu amava conversar com ele, amava os conselhos dele, mas no fim, descobri que não o amava como o homem que ele merecia ser amado.

Hoje em dia ele está casado, e tenho certeza que a mulher dele deve estar muito feliz, pq ele é um ótimo companheiro . 

Por mais que sempre digam que não se deve comparar relacionamentos, esta é uma proeza que não atingi rsrsrs Não que fique comparando marido ao meu ex constantemente, mas gente, depois de 9 anos de ralcionamento com uma pessoa, é impossível não pensar em coisas que ele fazia que marido não faz, ou vice versa :) E isso sempre me leva a conclusão que meu marido não tem nada de encantado rsrs

Marido é romântico. Celebramos nosso aniversário todo mês. Ele me traz mimos em dias que não estou esperando por nada... Muitas vezes vou lavar uma roupa e encontro um livro com uma dedicatória linda dentro da máquina de lavar rsrsrs Marido me apoia... Seja destino ou qqr outra coisa, sabíamos que acabaríamos casadinhos.

No entanto, marido não dá o braço a torcer... Nunca rsrsrs Nossas conversas sempre acabam pq ficamos cansados de tentar decifrar quem tem o melhor argumento rsrsrs Podemos dizer que estimulamos infinitivamente o cérebro um do outro rsrsrs Marido não mente, nem que seja para me agradar rsrsrs Já encaracolei meus cabelos e ele se rachou de rir pq disse que eu parecia um poodle :0. Marido não é muito paciente... Ele não é pró-ativo para afazeres de casa... Enfim, ele é um mundano rsrsrs Lógico que em questões que eu considero fundamental, sei que escolhi o better fit para mim. Como comentei antes, fiz todas as minhas escolhas, e sei que não casei com o Príncipe Encantado, mas definitivamente não casei com um tralha!

E muita gente me chama de louca rsrs

Tuesday, September 25, 2012

Random

Uma troca de mensagens via FB com a Rebeca me trouxe a inspiração para este post  :)

Vou falar de mais um dos meus conhecimentos aleatório rsrs

Marido é Japonês, original. Nascido em Tóquio rsrsr E como muito asiáticos, eles sofre de uma deficiência enzimática que o limita na ingestão de álcool.

Funciona assim, marido bébe meia lata de cerveja e fica bêbado rsrs Ele fica tão, mas tãaaaaao vermelho, que até o couro cabeludo dele fica reluzente. Marido, após um shot de vodka em um Blood Mary, desenvolve Gota! Marido fica bêbado em meio segundo, e sóbreo com a mesma rapidez. A quantidade de álcool para deixá-lo bêbado é tão pouca, que mesmo visivelmente bêbado, ele pode fazer um teste de bafômetro que vai dar que ele não têm álcool no organismo (fato verídico). A coisa pode ser pior. O pai do marido, após 350 mL de cerveja, precisou ir para a emergência para fazer uma lavagem estomacal.

Há vários graus de deficiência desta enzima! Marido passou a vida inteira sendo o motorista da balada entre os amigos, e hoje em dia é o motorista para a esposa. Assim sempre posso desfrutar de uma taça de vinho quando vamos jantar fora :)

Então vamos ao random knowledge do dia:

Principalmento os asiáticos sofrem deficiência da enzima chamada Aldeído desidrogenase. Quando ingerimos o álcool, este sofre um processo de absorção no nosso organismo. No fígado ocorre a primeira quebra das enzimas do álcool, sendo estas transformadas em acetaldeído (altamente tóxico) que é imadiatamente quebrado em acetatos. A Aldeído desidrogenase faz a quebra do acetaldeído em acetato (Tacinha, certeza que vc pode explicar isso muito melhor do que estou fazendo). Enfim, por conta desta deficiência, ou em alguns casos a ausência desta enzima, as pessoas sofrem reações dramáticas com a mínima ingestão de álcool. É o caso do marido. Estudos demonstraram que os Japoneses são os mais afetados com esta deficiência, mas seguido de muito perto pelos outros asiáticos.

Na mão contrária ao marido, eu acho que tenho excesso de enzima rsrsrs. O sonho da minha antiga roommate, em Cleveland, era me ver bêbada. Todas as vezes que íamos a um bar, ela me pagava diversas bebidas.  Eu nunca saia bêbada de trançar as pernas. Eu gosto de beber, não vou mentir :) Eu adoro um bom vinho!! No calor, adoro um bom drink, mas posso contar nos dedos (de uma mão) as vezes em que fiquei bêbada. Até hoje só vomitei uma única vez, e foi depois de beber muitooooooo sem comer nada! (Oh yes, I have my embarrassing  moments).

Com esta mistura de genes, marido e eu esperamos pandas normais rsrsrs.

Sunday, September 23, 2012

Burocracias Casamentícias

Já era para eu ter escrito este post faz tempo, mas sempre esqueço hehe

Meu casamento civil foi feito no EUA, o processo foi super simples. Cada estado americano pede documentos específicos, então vou falar do meu processo que ocorreu no  Condado de Washtenaw, em Michigan.

Esmiuçando o processo...

Primeiro nós aplicamos para a Marriage License, que é a autorização para que possamos realizar o nosso casamento civil. Se for fazer um comparativo com Brasil, diria que é o lance de Proclamas.  Para aplicar para o marriage license aqui, nós tivemos que comparecer a um escritório da prefeitura munidos de um documento com foto, comprovante de endereço, certidão de nascimento e o cartão de social security (para estrangeiros sem SS pode usar apenas o passaporte). A Marrieafe License fica pronta em 3 dias, e é quando estamos autorizados a entrar em contato com um juíz de paz, ou se decidirmos fazer um religioso com efeito civil também podemos ir atrás. No nosso caso, o casamento religioso foi no Brasil, então fomos atrás do juiz de paz para fazer o civil. Casamos exatamente 4 dias após aplicarmos hehehe

Após recebermos a nossa licensa, ligamos para alguns fóruns para ver qual era a disponibilidade deles para relalizar casamentos. Em uma cidade pertinho de nós, eles tinham um horário para o dia seguinte, e assim marcamos nosso casamento hahahaha Para marido e eu, o nosso casamento civil era apenas para legalizar perante a justiça, pq nós consideraríamos casados após o casamento religioso no Brasil. Para vcs terem uma idéia de como a coisa foi tão de supetão, nem tínhamos aliança para o marido hahahaha Fomos em uma loja e compramos um anel de prata para ele, e utilizamos a minha aliança de noivado como aliança de casamento rsrs Não tivemos ninguém nem da minha família nem da dele. Alguns amigos compareceram (precisávamos de testemunhas rsrs) e depois fomos para um Pub do outro lado da rua do fórum para comemorar! Tudo ocorreu em uma terça feira de tarde rsrsrs

Como já comentei por aqui, fiz todo o processo do casamento na igreja católica aqui no EUA, e a igreja que frequento daqui enviou todos os documentos para a igreja em que me casei no Brasil. O certificado de casamento civil daqui, foi o que a igreja no Brasil também utilizou para realizar o casamento. No entanto, casar no religioso no Brasil não significa que vc está casada perante a justiça dos homens.  O casamento no civil no EUA não tem valor legal no Brasil ao não ser que vc faça o processo de reconhecimento do matrimônio em terras tupiniquins, o que eu fiz.

Vc não precisa fazer este reconhecimento para poder casar no religioso no Brasil, mas para mim eu queria estar legalmente casada nos dois países. Além disso, queria que todos os meus documentos, tantos brasileiros quanto americanos, apresentassem o sobrenome do marido que acrescentei pós casamento. O processo parece super trabalhoso, mas na verdade é bem simples.

O primeiro passo é realizado no Consulado ou Embaixada brasileira mais perto de vc. No meu caso, é o consulado de Chicago. Eu aproveitei que meu passaporte estava para vencer e em uma ida ao consulado eu legalizei meu casamento, e também renovei e alterei meu passaporte para o nome de casada!

No website do consulado tem todas as explicações, e o processo foi rápido e sem nenhuma dor de cabeça. Eu envie todos os documentos solicitados via email, então no dia que fui ao consulado eles apenas conferiram os documentos originais e eu e marido assinamos a nossa certidão de casamento. Simples né?!

Como disse antes, este é o primeiro passo. Após chegar no Brasil, eu fui até o cartório próximo a residência dos meus pais, com a minha certidão de casamento feita no consulado e a minha certidão de nascimento atualizada. Preenchi alguns formulários e pronto, 4 dias depois os meus pais foram lá buscar a minha certidão de casamento.

Simples assim, e eu estou devidamente casada na Terra do Tio Sam e também na dos Tupiniquins :)

Wednesday, September 19, 2012

Lembranças de Infância

Recentemente, estava conversando com amigos sobre aventuras na infância, e decidi escrever aqui no blog uma das minhas maiores aventuras quando adolescente.

Já falei por aqui, diversas vezes, que tenho um menino enrustido em mim né? rsrsrs E esta aventura é um dos grandes demonstrativo disso :)

Geralmente, para os 15 anos de idade, as meninas sonham com uma super festa. Vestido de princesa, meninos engravatados... Enfim, a tão conhecida festa de Debutante. Eu nunca sonhei com uma, o que acho que foi até um alívio para os meus pais que jamais teriam o dinheiro para pagar uma festa de grande estilo. No entanto, sempre quis celebrar os 15 anos com algo marcante. Como tenho um pai que sempre apoiou as minhas tendências à coisas inusitadas hehehe ele aceitou me dar de presente um Curso de Sobrevivência na Selva com as minhas duas melhores amigas :)

Meu pai entrou em contato com um conhecido do exército, e lá fui eu com a minhas amigas fazer o meu tão sonhado curso de sobrevivência!!

Foram apenas 3 dias, e não matamos nenhum animal. Me diverti horrores!! Eu admito que rolou um choque inicial. O conceito de Sobrevivência na Selva, na minha cabeça, era meio que um acampamento rsrs E o real foi aprender a me virar no mato, mesmo rsrs

Antes de ir, eles nos avisaram para levar uma barra de chocolate, uma fruta, um pacote de bolacha e um suco. Como comentei antes, eu e minhas amigas estávamos em um ritmo mais de acampamento e levamos muita, mas muita comida em nossas mochilas hahahaha O que nos arrependemos grandemente após os diversos quilometros de caminhada carregando nossas mochilas hiper pesadas nas costas hehe

Quando chegamos no ponto escolhido para o acampamento, os organizadores do curso confiscaram todas as comidas, e eu e minhas amigas viramos motivo de piada. Estávamos carregando comida suficiente para as 24 pessoas que estavam fazendo o curso hahaha

O curso foi uma super aventura!! Eu e minhas amigas éramos as caçulas do grupo, e acabamos virando o xódo da turma rsrsrs De verdade, aprendi diversas coisas para Sobreviver na mata! Foi um curso básico, mas muito produtivo!!

Aprendi a procurar água se não há nenhuma nascente próxima, aprendi o que posso e o que não posso comer (incluindo insetos), aprendi como me orientar corretamente na mata... Como disse, aprendi muita coisa mesmo!! Lógico que passei uma fome lascada, e frio também hehehe Aprendi que quando estamos com fome de verdade, comemos qualquer coisa, mas só o suficiente para te dar um pouco de energia. É só seu corpo se sentir com "menos fome" que os bichinhos em frente de vc começam a te causar ânsia :)

Nos dividimos em grupos. Aprendemos a montar barracas com suplimentos da mata... Aprendemos a fazer a fogueira... Dormimos em turnos para ficar de olho em possíveis animais que pudessem querer atacar o acampamento e para manter a fogueira acesa (garoou a maior parte do tempo). Tenho milhões de histórias destes 3 dias, e fotos também (que naquela época não eram digitais rsrs) :)

Foi uma grande aventura! Um presente que muita gente torceria o nariz, mas eu e minhas amigas adoramos. Voltamos para casa com barro até no pensamento rsrsrs Mas repetiríamos a dose sem pensar duas vezes! Um dos melhores presente que meu pai me deu :)

Monday, September 17, 2012

Eu odeio Segunda-Feira

Quase todo mundo odeia Segunda-feira né?! rsrs Aquela coisa de que é o dia em que a semana de labuta re-começa. O dia em que a gente precisa entrar novamente no ritmo, após o fim de semana sem trabalho... Pois bem, no meu caso, não existe lógica em não gostar da Segunda-feira!

Aqui em casa, o conceito de fim de semana com dois dias de folga não se aplica. Marido e eu trabalhamos praticamente todos os fins de semana. Segunda não é quando a minha semana começa, pq geralmente minha semana não tem fim rsrsrs Algumas semanas eu tenho folga na Terça ou na Quinta, mas outras a "semana" de trabalho vai direto, ultrapassando os 7 dias!!

Mesmo assim, toda Segunda-feira é o dia mais difícil para eu acordar... Eu nem tomo café da manhã antes de sair, assim tenho mais tempo na cama hehe Meu corpo fica moído o dia inteiro, fico hiper lenta de raciocínio e com cara de quem farreou o fim de semana todo!! Por conta das aulas, chego em casa tarde da noite e nem me inspiro em comer hehehe Me jogo no chuveiro e depois me largo na cama rsrsrs Chega a Terça-feira e tudo fica normal. Este meu psicológico tem cada coisa ;)

                       ------------------------------------------------------------------------------

Estou voltando a escrever, em doses homeopáticas, mas estou de volta :) Estou conseguindo me organizar novamente. A enxaqueca agora está apenas como uma dor de cabeça que vai e vem. A maioria dos sintomas desapareceram, e a vida está quase de volta ao seu normal.

Não vou dizer que está sendo simples sem o medicamento. Minha ansiedade está falando mais alto novamente. Minhas palpitações estão de volta (mas não o tempo todo) e coisas pequenas despertam minha irritação novamente. Eu sabia que seria assim, e estou tentando mudar este quadro.

O ideal seria a terapia, mas por enquanto, ainda estou relutante com a idéia. Não é preconceito, apenas fico debatendo com o fato de ter que fazer terapia em inglês hahaha Loucuras de Aline :)

Entendam que eu acho terapia uma ferramenta importantíssima! Sou daquelas que acredita que o mundo precisa de terapia!! Eu nunca fiz, mas adoraria fazer. Adoraria que o marido fizesse, que meus familiares fizessem, se bobear gostaria até que a Lua fizesse hahahahaha Sim, acredito muito nos benefícios da terapia! Lógico que é necessário se fazer terapia com um profissional competente, infelizmente tem muito incompetente posando de terapeuta...

Ok, de volta ao meu caso ;) Estou me encontrando aos poucos. Tive que desistir de alguns planos, pq este não é o momento de forçar meus limites, mas acho que estou indo muito bem!! E pq nada é tão simples assim, para ajudar, eu bati o carro :( Não foi nada grave, ninguém ficou ferido e o dano no carro foi só na lataria. Mesmo assim, foi a minha primeira batida em 11 anos dirigindo e fiquei p. da vida com o ocorrido, principalmente pq eu fui a culpada... Como diz o marido, preciso get over it!! E tenho fé que ainda chego lá rsrsrs

Friday, September 7, 2012

O Poder do Cérebro

Eu tenho total noção do poder do meu cérebro sobre o meu corpo. Meu estress me afeta fisicamente, e eu sei muito bem disso. Meu estress e minha ansiedade me causam sintomas físicos, que hoje sei que são frutos da minha cabeça.

Existe algo chamado Transtorno Somatoforme, que é caracterizado pela presença de sintomas físicos sem nenhum achado clínico que direcione para alguma doença específica. A pessoa com Transtorno Somatoforme não inventa os sintomas físicos, ou sequer tem controles sobre eles. O Transtorno Somatoforme é na verdade um diagnóstico de exclusão, ou seja, se faz várias investigações para tentar correlacionar clinicamente os sintomas físicos à alguma doença. Quando esta investigação falha, considera-se um Transtorno Somatoforme (que têm variações dentro do transtorno, mas não vou entrar em detalhes).

Muita gente já ouviu falar da fibromialgia, certo? A fibromialgia é um Transtorno Somatoforme. Não há uma explicação clínica para as dores que o portador de fibromialgia sentem, por isso a fibromialgia não é considerada uma doença e sim uma Síndrome. É um diagnóstico de exclusão, o paciente tem as dores físicas que não podem ser correlacionadas com nenhuma doença. Na fibromialgia há o conjunto de sintomas específicos, mas não é possível se identificar exatamente o que está causando os sintomas físicos.

Curiosidade rápida, qual a diferença entre doença, síndrome e transtorno?? (Não sou especialista. Aprendi isto na faculdade, mas claro que guardei a explicação básica na mente rsrs, e é o que vou dividir aqui)

Síndrome - conjunto de sintomas e sinais que ocorrem simultaneamente, que podem ser indentificados clinicamente, mas nem sempre determinam uma doença.

Doença - é uma condição onde há alteração do estado normal físico. Esta modificação causa danos, alterando ou interrompendo funções do nosso corpo. O agente desta alteração é geralmente descoberto.

Transtorno - uma abnormalidade do estado físico ou mental

Voltando ao post rsrsrs

Em 2010, eu comecei a sentir uma sensação horrível no peito, super difícil de explicar. Era uma sensação de estar sobressaltada, como se algo estivesse fora de sintonia no meu coração. Reclamei para o marido, que disse que era nada :).

A coisa foi progredindo ao ponto de que quando estava em crise, eu sentia até um pouco de falta de ar. Marido viu que eu falava sério. Auscultando meu coração, ele viu que quando eu sentia o mal estar, era como se meu coração pulasse uma sequência de batimento. Ok, não estava imaginando nada, havia um sintoma físico detectável.

Marquei meu médico, e fiz todos exames do coração que alguém pode imaginar. Tudo mesmo!! Estava lá, meu coração pulava uma sequência de batimentos, mas não foi encontrado nada que justificasse este pulo. Os médicos descartaram tudo que podia estar relacionada a estes sintomas, e a única coisa que sobrou foi ansiedade e estress hehe. Comecei o ansiolítico, e perguntem se as palpitações continuaram?! Claro que não!! Quer dizer, hora ou outra ainda sentia umas crises, mas nem chegava a ter falta de ar :)

Entendam que o Transtorno Somatoforme não é Hipocondria. O Hipocondríaco, também apresenta sintomas físicos (também não são inventados ok?) mas a grande diferença está na postura do paciente. Por conta dos sintomas, o hipocondríaco acredita que ele tem uma doença grave que os médicos estão falhando em identificar. Se preocupar com a saúde é algo que todos devemos fazer, mas tudo tem um limite, e para o hipocondríaco este limite não existe. A pessoa fica tão determinada a achar uma doença, que isto começa afetar o dia a dia da pessoa. O hipocondríaco vai procurar vários agentes de saúde, e sempre vai achar que o que está sendo feito não é suficiente. Deu para entender a diferença?! Espero que sim :) O assunto é muito mais complexo do que esta idéia geral que estou dando, mas com critério, se acha muitas repostas e explicações na internet!

Pq estou falando sobre tudo isso?! Porque eu parei meu ansiolítico. Eu e minha médica já queríamos parar o medicamento faz algum tempo, e agora, com tudo que está acontecendo eu decidi que era o momento perfeito para parar. O marido achou que era meio loucura eu parar agora, mas para mim eu não posso ser dependente da droga pelo resto da minha vida (Olha a preocupação com os Pandas rsrs). O meu transtorno é algo que eu preciso aprender a controlar sem a droga (Gente,  não condeno uso de medicação ok?! O que estou falando é que com o MEU transtorno não é preciso de medição para o resto da vida, ao contrário de algumas outras condições).

No meu caso, apenas usar a droga, eu não estou tratando a causa e sim os sintomas, e preciso tratar a causa. Como agora estou extremamente ocupada com muitas coisas acontecendo ao mesmo tempo, decidi que era a hora de parar, pois o meu cérebro estará ocupado com muitas outras coisas e não vai ter tempo de me causar palpitações rsrs A coisa não é tão simples, eu sei, quero apenas passar por onde meu raciocínio de parar começou.

E o ponto maior de todo o post é que parei o ansiolítico e estou sofrendo de crise de abstinência forte: diarréia, hot flashes, calafrio, náusea e minha exaqueca está constante. Nem o remédio de enxaqueca ajuda. Meus nervos estão à flor da pele. Chorei horrores vendo um pequeno trecho de Americas Got Talent, e briguei absurdo com o meu marido só pq no fim de semana, ele mudou os planos do café da manhã sem me avisar com uma antecendêcia que eu considerava adequada. Sentiram o drama?

Para juntar à tudo isso, tive duas provas na faculdade esta semana, e tenho mais duas na próxima semana. Por conta da dor de cabeça, ler e escrever é um sacrifício, então não tenho ficado no computador além do necessário para a faculdade. Até na hora do banho eu tenho ficado no escuro, a luz incomoda muito. Aos poucos estou melhorando, a cabeça ainda está latejando, mas nada comparado aos outros dias... Ainda não vou conseguir comentar nos blogs que gosto de visitar, pq não quero forçar mais do que já estou forcando, mas eu queria dividir com vcs o pq do sumiço :)  Assim que meu corpo se adptar a falta da droga, eu volto a comentar no blog de todos :)

Gente, quero reforçar aqui que não sou especialista no assunto!! Sou especilista em Reprodução ok?! Tudo que escrevi aqui é baseado no que aprendi, pesquisei e conversei com médicos.

Wednesday, September 5, 2012

Afastada...

Estou sem escrever por aqui por alguns dias... Nada grave, mas estou com algumas coisas acontecendo. Já havia escrito um post enorme meio que de updates, mas como estou em uma fase "cagada", enquanto editava o texto eu o deletei. Não faço a mínima idéia de como o fiz, então quando me inspirar de novo eu escrevo.

Ainda estou lendo os blogs que gosto, mas não comento. Não consigo ficar muito tempo na frente do computador, e tenho que ter prioridades, e a faculdade que começou fervendo está sendo a prioridade do momento. Minhas energias estão na direção dos meus estudos, mas prometo que logo volto a programação normal!!

Thursday, August 30, 2012

Das minhas manias

Eu tenho diversas manias e uma delas é ler sobre crimes e criminosos. Não importa o tipo do crime, não importa o quão grotescas as histórias são, todas me interessam. Por mais bizarro que pareça, acho a mente criminosa fascinante.

Quando mais nova, adorava ler sobre crimes, mas meus pais não me deixavam ler sobre os reais, então lá pelos meus 12 anos eu já havia devorado os livros da Agatha Christie e Sir Conan Doyle, que até hoje considero como os melhores escritores de romances policiais. Para mim qualquer coisa ligada a crime é entretenimento, seja livros de casos reais ou os de ficção. Com o excesso de leitura rsrs vc passei a identificar casos reais nos livros de ficção hehe oq ue passou a ser um outro entretenimento, pois tento associar a história há algum caso real.

Alguns podem achar que esta minha mania mórbida veio em decorrência de ser filha de policial. Bom, eu tenho duas irmãs e nenhuma delas têm o mesmo fascínio que tenho. O que eu acho que ser filha de policial colaborou é na minha perspectiva de análise de um crime. Sempre discuti minhas teorias com o meu pai, e ele sempre me estimulou a olhar as coisas pelos mais diversos ângulos, o que admito me ajudou em vários segmentos da minha vida, não apenas no meu hobbie de seguir o mundo criminal rsrsrs

Lógico que nesta imersão no mundo criminal, você tenta se colocar no papel do criminoso e com o tempo fui ficando boa em me colocar no papel dos outros. Tão boa que amigos sempre falaram que com a equipe certa eu conseguiria cometer o crime perfeito hahahah Pois é, sou estranha e nunca neguei, e a maioria dos meus amigos são tão peculiares quanto eu rsrs Bobo né? Mas admito que tenho um super orgulho da minha peculiaridade!

São anos de experiência rsrsrs O que me garante poucas surpresas quando estou lendo um livro ou assistindo um filme. Hoje em dia marido e eu temos um trato, eu nunca comento como acho que o filme vai desenrolar "para não estragar a surpresa" dele rsrs

Bom, já que dei toda uma introdução sobre uma das minhas estranhezas rsrsr Vamos ao motivo deste post? A coroação do meu conhecimento inútil sobre como desvendar um crime hahahaha (Já que minha profissão é ajudar as pessoas a engravidarem e não desvendar crimes).

Recentemente, eu recebi um deal do Groupon sobre um Mystery Dinner. Como o nome diz, o Mystery Dinner consiste em um jantar onde se encena algum crime, e os convidados do jantar são os detetives. Lógico que a estranha que vos escreve ficou piradinha para participar deste jantar né? Pq eu tenho um marido que me ama muito rsrsrs Ele aceitou a participar desta presepada comigo, e pq meus amigos também me amam e apoiam minha loucura, eles também resolveram participar do jantar conosco.

Haviam 4 atores, e eles distribuíram outros 8 personagens entres "comuns" que foram ao jantar. Não sei se todos os Mysteries Dinners são como este, mas tudo foi ocorrendo no decorrer do jantar. Ou seja, quando tudo começou nem havia um crime ainda, e o mais legal é que o próprio criminoso não sabia que ele era o criminoso. Após algumas encenações específicas nós tínhamos tempo para ir até os personagens e podíamos fazer qualquer pergunta que achávamos necessária. Não vou ficar aqui explicando todos os detalhes, não é o intuito do post hehehe

Um outro detalhe importante é que vc não trabalha sozinho, vc trabalha com um time, que é a mesa onde vc está sentado. O salão era composto de mesas de 10 pessoas, e na minha mesa estávamos sentados 6 conhecidos e 4 pessoas que não conhecíamos. Após alguns rounds de perguntas eu voltei para a mesa toda empolgada pq acreditava que tinha desvendado o crime. Contei minha teoria para todos, e pq era meio estranha, não foram todos que compraram minha idéia rsrsrs Quando chegou no ponto final, os atores nos entregaram uma folha onde tinhamos que dizer quem era o criminoso. Mas só o criminoso não te garantia o prêmio, vc precisava dizer o pq do crime. O que faz sentido, afinal, alguém poderia chutar o criminoso e acertar né? No fim, ninguém apareceu com uma teoria completa como a minha, e como meus amigos conhecem minha fama, eles definiram que iriam me apoiar. As 4 pessoas desconhecidas não se sentiram tão confortáveis, mas éramos maioria hehehe

Ai que ó, levamos o certificado de detitives da noite hahahaha

Team Klutz, que era o nome do personagem do marido
Eu sei gente, coisa extremamente boba, mas estou "mor" orgulhosa do meu pedaço de papel que dá suporte a minha estranheza hahahahaha Por isso que decidi escrever este post tão bobo quanto meu orgulho adolescente hahahahahaha

Wednesday, August 29, 2012

Pérolas


Eu tenho um sobrinho de 6 anos que é a coisa mais fofa deste mundo (ok, tia falar isso não vale hahaha)

Enfim, ele era a única criança da família (irmãozinho nasceu dia 23.08). Por conta disso, o mundo da família gira em torno dele hehehe Mas o que quero falar por aqui é sobre as pérolas que ele solta que faz qualquer um se matar de rir. (S- sobrinho, M- mãe, E-Aline, V-Avô/ó, P-Pai)

Pérola 1
S- Mãe, quanto tempo falta para eu aposentar??
M- O quê??
S- Quanto tempo falta para eu aposentar?? Eu estou cansado (Todo o trabalho dele é ir para a escola rsrs)

Pérola 2 (essa eu acho a coisa mais fofa)
S- Tia, vc pode passar essa férias curta aqui??
E- Férias curta??
M- Férias curtas significa fim de semana (minha irmã fazendo a tradução rsrs)

Pérola 3
S- Vô, vc está com muito cabelo branco, isso significa que vc vai morrer?? :0

Pérola 4
(Quando eu havia passado o Natal na Califórnia)
S- Tia, vc está de volta no EUA ou ainda está na Califórnia?

Pérola 5 (antes de eu casar com o marido)
E- Sobrinho, o meu Namorado é seu tio, vc não vai chamar ele de tio??
S- Não, vcs não casaram ainda!! (Menino das antigas rsrsrs)

Pérola 6
S- Vô, eu acho que vc precisa de uma esposa mais nova, a vó está ficando velha!! (Pobre da minha mãe rsrsrs)

Pérola 7
(Saindo de manhã para ir para a escola)
S- Pai, me ajuda carregar minha mochila que tá pesada.
P- O que vc tem nesta mochila que pesa tanto?
S- Minha pasta com a minha lição de casa,  minha agenda e minha "necessária" com a escova de dente!!

Pérola 8
(Minha irmã teve piercing no umbigo por muitos anos, e o retirou na primeira gravidez. Mesmo com o buraco fechado, há uma cicatriz que com a barrigona de gravidez fica estufada)
S- Nossa mãe, agora vc tem dois "bigos"

Pérola 9
(Ensinando o marido a falar português através do skype)
S- Tio, esse aqui é o nariz (aponta para o nariz dele), repete comigo N-A-R-I-Z. Tia, fala para ele repetir.
(marido repete)
S- Muito bem (com uma folha na mão ele faz anotações sobre o que marido errou e acertou hahahaha)

Pérola 10 
(Quando fui à praia com a Lua)
E- Este fim de semana fui à praia para levar a Lua para nadar!
S- Tia, pq vc foi na praia e não veio me buscar?
E- Sobrinho, eu moro no EUA, lembra?
S- Mas vc foi na praia, e a praia é aqui perto!! (as noções de geografia dele sempre me "impressionam" hahahaha)

Monday, August 27, 2012

Para Pensar

Faz algum tempo que acompanho a coluna da Eliane Brum. Gosto muito da forma que ela escreve! Mesmo não concordando com a opinião dela (o que admito foram pouquíssimas vezes), acho incrivelmente profissional a forma em que ela aborda assuntos onde a opinião pessoal do escritor influencia bastante o que se escreve. Super indico, ela escreve todas as Segundas feiras.

Em uma das colunas recentes, ela comenta sobre o holocausto, dos descendentes dos perpetuadores deste ato horrendo e dos descendentes de suas vítimas. Um caso que me chamou muita atenção no artigo foi a história de uma mulher chamada Bettina Goring, sobrinha-neta do segundo homem em comando no Terceiro Reich. A história me chamou atenção a ponto de estender minha pesquisa a respeito desta mulher.

Aos 13 anos de idade Bettina saiu de casa para poder lidar com a herança que o sobrenome que ela carrega traz, herança que para ela representa culpa e repulsa. O que mais me deixou intrigada na história é que o pavor que esta mulher, e também o seu irmão, têm sobre a genética que eles carregam é tão grande que ambos decidiram se esterilizar, para garantir que os genes de um assassino não fosse pasado adiante.

A idéia a princípio, me pareceu tão dramática e extremista, mas quando tento me colocar na posição destes irmãos, fico pensando se esta é uma decisão tão extremista assim...

Em geral, acho que focamos tanto nos descendentes das vítimas que esquecemos de pensar nos possíveis efeitos de se ser descendente dos perpetuadores de um dos crimes mais hediondos da história da humanindade.

Como deve ser crescer sabendo que vc carrega o sangue de um assassino? Por mais que saibamos que nada do que aconteceu é culpa da atual geração, eu não consigo nem imaginar como seria minha cabeça se esta fosse a minha realidade!

Estou super curiosa para ver os documentários citados na coluna da Eliane Brum!!

Monday, August 20, 2012

Aproveitando o Domingo

Neste Domingo, 19.08.12, marido e eu resolvemos fazer um bate-volta, ou na linguagem do Tio Sam, uma Day Trip.

Pois bem, eu estava determinada a levar a Lua para nadar hehe A única experiência dela com praia foi em São Francisco.

Image from Arquivo Pessoal
 Mas a água era de congelar a alma, então o máximo que ela fez foi molhar as patinhas correndo com os cachorros que ela fez amizade :)

Image from Arquivo Pessoal
Michigan não é banhando pelo oceano, mas é cercado por lagos.

From Google Images

Até me mudar para esta região dos EUA, eu não aceitava muito bem esta coisa de "Praia" de lago, mas os lagos desta região são enormes e parecem uma praia comum, banhada pelo oceano.

From Arquivo Pessoal
 Resolvemos então ir para o Lado Oeste de Michigan, onde fica o Lago de Michigan e tem várias praias famosas. Encontramos um parque, Grand Mere State Park, que autoriza cachorro na praia, acordamos cedinho, empacotamos para um picnic e seguimos rumo a Praia :)

A praia não estava lotada, havia alguns gatos pingados e seus cachorros :) O lugar é bem bonito e calmo!! O domingo foi super relaxante, ficamos deitados na areia lendo livros, brincamos com a Lua e a forçamos a nadar hehehe

From Arquivo Pessoal


From Arquivo Pessoal

Ela odiou!! Mas já decidimos que antes do verão acabar de vez, nós vamos a este parque de novo, a Lua que se prepare hahahaha

From Arquivo Pessoal
 Nós não levamos guarda-sol, pq achamos que não faria muito sol, mas nos enganamos completamente, foi um dia de céu azulzinho e sol!! Sem sombra, a Lua improvisou :)

 
From Arquivo Pessoal

From Arquivo Pessoal
Ela não gostou de nadar, mas assim como o pai e a mãe, ela simplesmente amou ficar sentadinha, apenas admirando a paisagem :)

Wednesday, August 15, 2012

Sempre devemos pesquisar...

O assunto de certa forma é velho, mas como continuo vendo alguns conhecidos no facebook usando este argumento, eu resolvi publicar alguns fatos relacionados a este tópico aqui no blog também.

O assunto?! O aborto de uma gestação de um bebê anencéfalo. Minha intenção aqui não é discutir quem é a favor ou não, ou os motivos de cada um para a opinião pessoal. O que quero colocar aqui é um fato que vi muita gente usando no fb como uma solução para se justificar levar a gravidez ao término, no entanto, faltam algumas informações nesta solução que alguns sugeriram.

Um número grande de pessoas sugerem que as mães grávidas de um bebê anencéfalo devam levar a gravidez até o final e após o nascimento, quando a criança falecer, realizar a doação de orgãos deste bebê. O grande problema é que teoricamente esta solução parece prática e louvável, mas na realidade ela é quase impossível de se praticar (tentei achar on line casos de sucesso e não encontrei nenhum).

Acredito que todos saibam que para uma pessoa se tornar um doador de orgão viável, precisa-se declarar que o paciente sofreu morte cerebral, ou seja, o cerébro daquela pessoa morreu, mas os outros orgãos continuam viáveis. O grande problema é que estes orgãos não vão continuar viáveis por muito tempo, e por este motivo a decisão sobre a doação de orgãos deve ser feita dentro de um período específico. O que acontece é que após o nosso cérebro "desligar", um a um os outros orgãos vão se desligando.

Agora levando esta aplicação técnica para casos de bebês anencéfalo: O termo anencéfalo é o termo comum utilizado para bebês que sofrem de uma anomalia cerebral incompatível com a vida. De forma não técnica, o anencefalia pode ser caracterizada em outros grupos como a anencefalia completa, onde o bebê não tem o cérebro e o tronco cerebral, e com isso nenhum outro orgão vital funciona. Nestes casos, muitas mães sofrem aborto espontâneo, e em alguns casos elas vão até o final da gestação mas têm o parto de um natimorto. Existe também a anencefalia onde o bebê tem o tronco cerebral formado, e nestes casos grande parte dos outros orgãos vitais continuam funcionando. São estes os casos em que o bebê anencéfalo tem uma maior expectativa de "vida".

Vamos aos problemas técnicos. Um bebê anencéfalo não tem cérebro, logo, não pode ser declarado uma morte cerebral. Qual a implicação disto?! São necessários critérios diferentes para este bebê ser considerado morto, e até estes critérios serem aplicados os orgãos vão aos poucos se desligando.

Então a realidade é que se vc doar os orgãos de um bebê anencéfalo logo após o seu nascimento, vc na verdade estará assassinando o bebê. Sei que o termo assassinato é bastante forte, mas é que a minha idéia é usar o mesmo impacto que se usa quando se fala do aborto e se diz que vc está assassinando o bebê.

Como coloquei para algumas pessoas no facebook: Não se pode chamar o aborto de assassinato e achar que é ok fazer a doação de orgãos sem considerar este ato também um assassinato.

Defender uma causa tudo bem, mas ser coerente e ter o conhecimento do que vc esta defendendo e sugerindo é muito importante!

Como comentei no começo, a idéia neste post não é expressar minha opinão, ou discutir direitos e deveres ou qualquer coisa deste tipo que também implicam na decisão do aborto de um anencéfalo ou não, a idéia é expor um fato, e o fato é que usar a teoria da doação de orgãos não dá nenhum suporte para que alguém seja contra o aborto de bebês anencéfalos.

Sunday, August 12, 2012

Novos caminhos?!

Então que resolvi voltar para a faculdade... O que vou fazer? Por enquanto, apenas aulas de inglês. Esta que vos escreve nunca fez aulas de inglês na vida, e acho que está mais do que na hora de eu tomar vergonha na cara rsrs.

Por motivos que eu não sei explicar, eu tive muita facilidade em aprender inglês. Não existe fórmula secreta, cada um têm um ritmo e uma necessidade para se aprender uma língua. No meu caso, estar inserida na cultura e a obrigatoriedade de aprender, foram (de certa forma) suficientes para mim. Em algumas coisas é engraçado, pq como aprendi a maior parte do meu inglês de ouvido, algumas palavras eu falo sem o sotaque brasileiro, e algumas pessoas fazem piada disso. A justificativa disso é muito simples, eu primeiro aprendi a palavra sem ler, apenas escutando, ou seja, eu passei a repetir a palavra de acordo com o que eu escutava e não o que eu havia lido. Curioso isso né?

Pois bem, apesar de nunca ter feito aulas, meu inglês dá para o gasto. Suficiente para trabalhar, me comunicar e escrever., mas acho que cheguei ao ponto que não estou mais evoluindo sozinha, preciso de mais, principalmente na escrita, então decidi recorrer as aulas de inglês.

Pq decidi fazer na faculdade e não em um curso de inglês para estrangeiros?

Bom, eu tenho pensando seriamente em voltar a estudar. Ainda não sei bem o que. Já pensei em terminar meu mestrado, mas como já cheguei ao máximo que alguém na minha carreira pode chegar sem deixar de clinicar, não estou muito inclinada a seguir este caminho.

Quando comecei minha vida na carreira de ciências, minha grande meta era um PhD. Graças a Deus (e muito trabalho) tive grandes oportunidadaes, e consegui alguns shortcuts que me levaram a uma posição de quem tem mestrado sem ter completado o meu... Hoje repenso sobre o PhD, pq apesar de gostar muito de trabalhar com pesquisa, eu não conseguiria ficar só com a área academica, além do que, planos de aumentar a família hoje têm um peso muito maior do que tinha antes de ter a minha própria família.

Pensei em ir para Nursing school, assim poderia continuar no meu field e ainda acrescentar algumas coisas... Não estou bem certa sobre este caminho... Amoooo ser biomédica, nunca pensei em ser enfermeira, se tivesse sonhado com isso teria corrido atrás no Brasil, mas nunca mesmo foi algo que considerei.

Sou daquelas que segue sonho, desejo... Na Biomedicina ouvi diversos profissionais reclamando que ganhavam pouco, que haviam se formado e nunca trabalhado na área, e mesmo assim nunca desisti. Amo a biomedicina, e por isso escolhi esta carreira. Mesmo com todas as dificuldades da área, desde que me formei eu nucna trabalhei em outra coisa que não fosse biomedicina, e posso dizer hoje que estou bem estabelecida no meu campo e com um salário que não posso reclamar. Sou daquelas que paixão tem que me levar para o estudo, e apesar de achar enfermagem super bacana, não acho que tenho paixão pela profissão...

Marido me sugeriu medicina... Putz, estou com 28 anos, certeza que vou precisar de umas classes pre meds. Se decidir entrar neste barco, em menos de 10 anos não viro médica, e aí, onde vão entrar os pandas? hahaha E ainda falta paixão pela profissão...

Teve gente que já me falou para sossegar o faixo e parar de procurar sarna rsrsr Mas eu sou assim, preciso me sentir desafiada constantemente, e cheguei em um momento da minha carreira que não estou me sentindo mais desta forma. Amo o que faço, e não quero largar nunca, mas sinto que preciso acrescentar mais nos meus desafios diário!!

Bom, estou aqui nesta indecisão... Pois é, tenho faniquito, e não consigo simplesmente ficar parada e aproveitar o momento que estou. Sou do tipo que alcança uma meta e precisa de outra.

Aproveitei o que podia da posição que estou, mas como diz o marido, já estou bored com a estabilidade!

Por conta de toda esta indecisão, eu decidi por fazer inglês na faculdade e não com tutor ou escola para estrangeiros. Além de melhorar meu inglês, eu estarei acumulando créditos que poderei utilizar no futuro, se decidir realmente voltar a estudar!!

Vamos ver onde este barco vai me levar :)