Wednesday, August 27, 2014

Metade do caminho

Finalmente estamos na metade do caminho: 20 semanas (na verdade estou com 21 mas não deu para escrever antes rs)

Pandinha está indo muito bem. Não falei por aqui ainda, mas pandinha é um "pandinho". Pois é, tem um meninão se desenvolvendo na minha pança.

Os sintomas do primeiro trimestre diminuíram, mas não foram embora. O que é um saco! Aliás, não me tirem como referência, porque honestamente, não sou daquelas grávidas sem muitos sintomas, consequentemente, não curto a gravidez (a maior parte do tempo) hehehehe

Sei que o pessoal tende a dizer que a gravidez passa rápido e devemos aproveitar. Bom, eu acho que está passando devagar demais e tem muitos sintomas que me atormentam para eu aproveitar hehehe Não vejo a hora de ter meu pequeno do lado de fora.

Minha lista de reclamações é enorme, mas não vou cansar ninguém com ela não rsrsrs

Sabe uma parte que gosto um montão da gravidez? Cada vez que sinto meu pequeno mexer :-) Ele adora cutucar minha bexiga urinária hehehe Comecei a sentí-lo por volta da 15a-16a semana, o que é cedo. Primeiro parecia com peixinho nadando perto da pele, agora que ele está maiorzinho, sinto os chutes como se fossem pipoca estourando hehehe Como ele ainda é bem pequeno, também sinto ele dar umas cambalhotas lá dentro. Gostaria de sentir com muito mais frequência, porque é sem dúvida a melhor parte da gravidez!

Eu ainda não comprei absolutamente nada para ele! NADA! Ele já ganhou presentes, mas nada do pai e da mãe :-) Acho que as pessoas a minha volta estão muito mais intrigadas com isso do que marido e eu rsrsrs Temos nosso tempo planejado na cabeça, então estamos tranquilos.

E com vocês, a foto que estou mais apaixonada no momento hehehe
 

Mas não é muita fofura contida em um único pé? Coisa de mãe, eu sei rsrs
 

Tuesday, August 19, 2014

Tanto pré-conceito

No dia 30.07.14, o humorista Fausto Fanti (quem aí lembra do Hermes e Renato?) foi encontrado morto. A morte foi declarada como suicídio.

No dia 11.08.14, o ator e humorista Robin Williams (aquele de milhões de filmes que provavelmente você viu pelo menos uma vez na vida) foi encontrado desfalecido e declarado como morto aproximadamente uma hora depois. A morte, até agora, é investigada como suicídio.

A lista de suicídios entre os famosos é gigante. Todos nós sabemos. Se acrescentarmos à ela todos os não famosos, eu não consigo nem imaginar o tamanho que ela chega.

Quando os casos envolvem famosos, a coisa vira rebuliço na internet. O que me deixa intrigada e assustada é a ignorância que ainda cerca os casos de envolvidos em suicídio. Na minha timeline do Facebook, alguns conhecidos fizeram comentários que os levaram diretamente a exclusão da minha página. Duvido que eles se importem, eu me importo, já que me incomoda ver tanto pré-conceito.

Emile Durkheim, sociologista, psicólogo social e filósofo, nomeou e classificou 5 tipos de suicídio, mas existem muitos outros estudiosos que criaram tantas outras classificações. Então não consigo entender como tantas pessoas colocam o suicídio e os suicidas em uma única categoria. Suícidio não é algo tão simples como alguns querem pensar. Não é o caminho fácil para sair de um problema. Não é o ato de um egoísta que não está nem aí para o resto da família. Não é falta de Deus na vida ou no coração. Não é falta de dinheiro, ou excesso dele... Há tantas coisas ligadas a um suicídio que me surpreende ver o quanto o ato e os problemas, que muitas vezes levam ao ato, são minimizados.

Os problemas psicológicos que podem levar uma pessoa a um ato tão extremo são visto como tabus, com pré-conceitos. Psiquiatra e psicólogo ou são profissionais para loucos ou são profissionais para gente fresca e "eu não sou nenhuma delas."

Os distúrbios da mente são encarados com pré-conceitos pelos profissionais da saúde, pelas pessoas que são afligidas pelo problema, pelos familiares dos aflitos, pela sociedade... É incrível como algo tão prevalente em nossa sociedade é visto de forma tão marginal.

É impossível saber as aflições e problemas de uma pessoa para a classificarmos de qualquer coisa. Depressão não é frescura. Depressão não é simplesmente estar triste. Milhares de pessoas no mundo sofrem deste problema, que infelizmente é pouco discutido.

Vamos conversar sobre os problemas que levam uma pessoa ao ato extremo, vamos acabar com os pré-conceitos!!

No momento, a internet está pipocando de textos bacanas que esclarecem várias coisas ligada ao tema. Se você conhece alguém com o problema, se você acha que pode estar com o problema ou simplesmete quer se livrar de certos pré-conceitos e aprender mais, leia todos!!

Esclarecimento é a chave para mudarmos as estatísticas!

Tuesday, August 5, 2014

O primeiro susto

Este blog não vai virar um blog sobre gravidez, mas quem passa por aqui já faz algum tempo, percebe que este é um blog sobre tudo que vai na minha cabeça. Minhas reflexões, minhas neuroses. Como gravidez é o tópico do momento na minha cabeça rsrsrs este vai ser um assunto recorrente por aqui.

Minha gravidez foi o mais planejada possível, por isso, antes mesmo de minha menstruação atrasar, eu fiz o exame de farmácia para ver se estava grávida.
Aqui no EUA não é como no Brasil, que você pode ir em qualquer laboratório e fazer um exame de sangue. No entanto, eu trabalho em um laboratório e por isso, escondindinha, fiz um betaHCG para confirmar :-)

Eu já tinha sintomas, mas é aquele período de sintomas que podem ser facilmente confundidos com sintomas pré-menstruais. A pior parte eram as cólicas bem fortes. No começo achei que poderia ser cólica da implantação (quando o blastocisto -óvulo fecundado- se implanta na parede uterina). Depois achei que poderia ser cólica por conta do útero estar aumentando de tamanho. No entanto, a dor só piorava. Eu tinha crises no meio da noite em que acordava literalmente gritando de dor. Chorava, vomitava (não por causa do enjoo da gravidez mas sim de dor) e a frequência das crises só aumentava.

Ao completar 6 semanas, todas teorias que tentava desenvolver na minha cabeça para não encanar com gravidez ectópica (quando a implantação ocorre nas tubas uterinas) foram invalidadas. Eu ainda não havia passado pela a obstetra, estava agendado para com 9 semanas, mas resolvi ligar na clínica, porque não dava mais para continuar do jeito que estava.

Ao ligar para a clínica, revi todos os sintomas com a "nurse practicioner" (seria talvez a enfermeira com mestrado no Brasil? Não sei dizer com certeza) e ela achou que era melhor eu ir para a emergência, pois havia a possibilidade de ser uma gravidez ectópica. Lógico que desabei. Imediatamente comecei a chorar e a enfermeira, com todo o profissionalismo do mundo, tentou me passar segurança e força. Eu estava sozinha em casa e ela me perguntou se eu precisava que eles mandassem alguém para me levar ao hospital, expliquei que não, que ligaria para o meu marido.
Felizmente, marido trabalha bem perto de casa e em 15 minutos (demorou um pouco pois ele precisava passar os pacientes para outro médico) ele estava em casa para me levar para a emergência. Obviamente, ao vê-lo desabei de novo. Da minha casa até o hospital leva 7 minutos. Foi um trajeto de choro calado e palavras de consolo dele. Na emergência, eles já estavam me esperando. Eu fui direto para sala para coleta de sangue e em seguida fui para a sala do ultrasom.

A regra é que quando um técnico faz um ultrasom, ele não deve falar nada sobre o teste. O médico é quem explica todos os detalhes. Enquanto a técnica fazia o exame, eu não quis olhar a tela. Eu fixei meu olhar nos olhos do meu marido, que de super tensos transitaram para o campo do alívio quando ele viu que nosso feijãozinho estava no lugar certo. Noós dois choramos. A técnica, muito legal, explicou que não podia falar nada mas ela nos deixou ouvir o coraçãozinho. Não sei se algum dia conseguirei colocar em palavras a felicidade que foi ouvir aquelas batidas tão rápidas.

Eu ainda fiquei algumas horas internada, para receber medicamento para dor intravenoso. A explicação do médico é que a infeliz da endometriose estava causadando minhas crises. O médico acredita que eu tenho tecido do endométrio por trás do meu útero, e conforme o mesmo se movia do seu lugar original para a cavidade abdominal, ele repuxava o tecido e me causava e a dor excruciante. A teoria faz bem sentido, já que agora que meu útero está completamente na cavidade, eu sinto apenas as dores normais da gravidez. As dores incapacitantes pararam, mas todos os outros sintomas da gravidez me acompanham hehe Uma beleza rsrs

Este foi o primeiro grande susto de toda esta coisa chamada de maternidade, espero que meu corpo e pandinha não preguem muitos outros.