Friday, October 11, 2013

Plano de Saúde para Viagem Internacional

Sempre que um amigo viaja para a Terra do Tio Sam, a principal pergunta é sobre o que eu acho essencial preparar para viagem. Eu acredito que, no geral, o "essencial" é particular. No entanto, eu acredito que o Plano de Saúde para viagem é de fato essencial para todo mundo.
Eu mesma, quando vou ao Brasil, sempre faço um seguro saúde. Melhor prevenir, não é mesmo?!
Muitos cartões de crédito oferecem plano de saúde se vc ralizar a compra das passagens utilizando-o. Na minha opinião, são seguros que eu não acho suficiente para quem viaja para os EUA (não posso falar de outros países).

O por que eu não acho que seguro de cartão de crédito é suficiente para viajar para o Tio Sam? Porque hospitalização e atendimento médico nos EUA é caro, muito caro. A maioria dos cartões de crédito oferecem uma cobertura de $20.000-$50.000, que facilmente pode ser gasto em um único dia de internação por aqui.

Exemplos: Eu acho que já até comentei por aqui... Meu marido uma vez passou mal durante um plantão. Ele teve uma dor de cabeça muito forte que só aumentava, a visão dele começou a escurecer e ele acabou enfraquecendo. Colocaram ele na cadeira de rodas e levaram para a emergência. Ele ficou duas horas na emergência. Fizeram uma ressonância e aplicaram intravenosa com soro e medicação para dor. Duas horas de hospital custou ao nosso plano de saúde $6000.
Um outro exemplo é quando fiz minha tonsilectomia. Como contei aqui, sete dias após a cirurgia eu tive hemorragia e precisei ser internada. Eu não precisei de transfusão de sangue, e o procedimento para parar a hemorragia foi simples = $14.000.

Imaginem no caso de uma emergência onde vários procedimentos precisam ser realizados. Com $50.000 de cobertura, pode ter certeza que vc vai sair do hospital com uma dívida enorme!

Fora valor de cobertura, algo que considero muito importante na hora de contratar um seguro são os detalhes da apólice.

Merdas acontecem sem aviso prévio. Estar ciente de detalhes nas apólices poupa certas dores de cabeça no momento da necessidade.

Imagine o inesperado acontece. Vc acha que tudo está tranquilo, afinal vc contratou o plano de saúde, mas aí vem a grande surpresa e uma batalha se inicia com a empresa contratada. Isso acontece muito.

Este link fala de um caso bem recente de uma brasileira que precisou usar o seguro para um emergência.

O artigo também comenta de um detalhe que quase nunca prestamos atenção: preexistência! A grande maioria dos seguros não cobrem preexistência; e a definição deste termo é muito mais abrangente do que a maioria imagina.

Se uma pessoa com um problema crônico tem uma emergência que possa ser remotamente relacionada ao problema crônico, mesmo se a pessoa estava devidamente medicada, o seguro não cobre. Por exemplo, uma pessoa hipertensa ou com colesterol alto, se tiver um problema de angina, o seguro não vai cobrir. Grávidas, a grande maioria dos seguros também não cobrem problemas relacionados a gravidez.

Quando vamos viajar é empolgante planejar o que vamos visitar, pensar nas compras e em toda diversão, mas se preocupar com o que pode dar errado é essencial. Preço não pode ser o determinante para o Seguro de Viagem. É importante verificar quais são suas necessidades e o que vai de fato te dar paz de espírito durante a viagem. O barato sempre sai caro!

24 comments:

  1. Verdade, eu tambem costumo contratar seguro quando eu viajo, apesar de um dinheiro a mais que a gente gasta, e muito bom ter a tranquilidade de saber que se algum imprevisto acontecer vou estar segura. Outro dia eu li uma reportagem muito triste sobre uma brasileira que entrou em coma por aqui e pelo fato de ja ter estourado o valor do seguro o hospital enfiou ela num voo de volta para o Brasil e ela morreu no caminho, eu sei que o hospital agiu super errado mas quando eu lembro desses casos eu percebo o quanto a vida e fragil e inesperada, entao melhor pagar um pouco mais contratando um seguro do que ficar a merce da sorte.
    Beijinhos

    ReplyDelete
    Replies
    1. Exatamente, Monique, é o tipo de coisa que a gente paga orando para não precisar rsrs Mas é bom saber que se precisar, vc tem um certa tranqulidade!! Situações como esta da Brasileira que morreu no caminho de volta é absurdamente triste, mas infelizmente é a realidade do sistema de saúde. Eles deixam a pessoa estável o suficiente para voltar para casa, só isso. É triste, mas a verdade é que a saúde é capital como todo o resto :( Bjsss

      Delete
  2. e problemas circulatorios que eram agravados pela altitude da cidade onde eu estava e o calor de 46 graus.
    Mas e se fosse trombose e se eu não tivesse um amigao médico no país?

    ReplyDelete
  3. Tive problemas em 2010, na Itália. Estava lá para um curso de pós de 1 mês e pouco numa cidade pequena para nossos padrões, mas capital de estado lá. Logo no segundo dia de estadia, minha perna inchou MUITO. Parecia que eu tinha elefantiase. Eu não conhecia ninguém naquela cidade, todos os meus amigos moravam em Milão (6 horasde trem), onde eu já havia morado dois anos antes.
    No hospital da cidade não tinha um médico vascular - juro. Agosto é um mês onde todo mundo sai de férias na Itália e as cidades ficam fechadas. Um horror.
    Passei no médico da faculdade e veio um diagnóstico de trombose. Fiquei desesperada. Liguei para o seguro saúde e eles insistiam em me atender por telefone - e sorte a minha que eu falava italiano! A empresa aqui no Brasil me passou pra essa italiana e lavou as mãos.
    Depois, descobri que era porque eles não tinham UM médico na cidade onde eu estava. Capital de estado, lembram?
    Uma semana de lenga lenga e queriam que eu fosse para Milão ou Roma ser atendida. Me enchi, mandei o seguro às favas e fui mesmo para Milão - encontrar um amigo médico lá que já tinha marcado consulta para mim no dia seguinte com i chefe da área vascular do hospital onde ele trabalha.
    No final da novela, eu tinha varizes e

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ise, que situação chata :( Não existe empresa boa, um saco!! Tem a menos pior. Por isso acho a pesquisa e a leitura de contrato fazem diferença! Bjsss

      Delete
  4. Aline! Voltei!!! :-) E olha que esse teu post fala mesmo a verdade... o barato as vezes sai caro! Beijos!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Flor, welcome back :) E como sai!! Bjss

      Delete
  5. Eu acho seguro importantíssimo! Minha mãe virá aqui no ano que vem e eu já tô pesquisando um bom seguro pra ela. Antes prevenir do que remediar, né?

    Beijos, e mande notícias suas e da sua filhota! Ela melhorou?

    ReplyDelete
    Replies
    1. Line, é exatamente como penso, melhor que não precise usar. No entanto, se precisar, mlehor ter um que consiga atender suas necessidades!! Eu tenho pesquisado bastante tbm, e por enquanto, o melhor que achei foi o Premium Assistance da Omint. Dá uma olhadinha na cobertura deles, talvez seja uma boa opção para a sua Mãe!! Que delícia visita da mãe :) Imagino que vc está contando os dias! Bjsss

      Delete
  6. Concordo plenamente! E fico impressionada como algumas pessoas arriscam a sorte e preferem nao contratar seguro. Participo de um grupo no facebook e sempre tem perguntas sobre viagens a Asia e que seguro contratar em paises como Thailandia e Indonesia. Fico chocada com a quantidade de respostas aconselhando a pessoal a nao se preocupar com isso. E tem outra coisa que tb acho importante para quem esta provisoriamente vivendo no exterior: manter o plano de saude brasileiro. Recentemente, houve um caso aqui na cidade onde moro que ilustra bem isso: uma garota jovem, saudavel, que nunca tinha tido problemas serios de saude veio pra ca pra estudar ingles por um ano e cancelou o convenio no Brasil. Aqui, ela teve um infarte fulminante e so nao morreu porque o predio em que ela estudava tinha desfribilador e pessoas treinadas pra prestar os primeiros socorros. Ela ficou na UTI por muitos dias aqui e, felizmente, teve tudo pago pelo plano internacional ( que todo estudante e obrigado a contratar antes de vir pra Australia). So que agora ela vai voltar pro Brasil pra continuar o tratamento perto da familia e nenhum plano aceitara cobrir as despesas por ser considerada doenca preexistente.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Anônimo, eu tbm fico! O número de pessoas que decidem por não ter seguro durante viagem é assustador! Execelente ponto! Não vale mesmo a pena cancelar plano de saúde se a saída do país é temporária, mesmo se o temporária é de mais de um ano! É o tipo de gasto que ngm gosta de ter, mas infelizmente é necessário! Mto obrigada por acrescentar e dividir esta informação! Bjsss

      Delete
  7. Aline, ótimo você ter tocado neste assunto! Eu sempre falo para as pessoas pesquisarem e comprarem seguro de saúde pra vir pra cá! Em 2010 eu comprei pra minha mãe e fiquei "feliz" em ter "jogado dinheiro fora" porque não precisamos. Só que eu esqueci o contato do seguro e agora com ela retornando fiz cotação com a Travel Ace. Dei uma olhada na empresa que você mencionou e o seguro deles parece infinitamente melhor, da próxima vez acho que vou fazer por eles. Obrigada pela dica!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eliana, espero que vc esteja aproveitando um montão com a sua mãe :) Eu concordo com vc, é um investimento que se faz e espera que nunca precise de retorno! De nada ;) Bjss

      Delete
  8. Oi Aline, sempre acompanho o seu blog quietinha, mas não posso deixar de relatar minha experiência com seguro internacional de saúde, que foi o do cartão Mastercard onde compramos as passagens.
    Em maio deste ano, fui com meu marido e alguns amigos passear pelos EUA. Nossa viagem começou por Las Vegas (onde estava quente e seco) e terminou em L.A. Alugamos um carro, passeamos em dois parques e fomos seguindo em direção a San Francisco. Na viagem ele se queixou que estava ficando resfriado e chegando em San Francisco (que estava muito frio) ele começou a ter calafrios e febre. Então resolvemos acionar o Seguro saúde. Fui em primeiro lugar atendida por uma pessoa falando em português, que fez, digamos assim, perguntas de triagem pra saber da gravidade, perguntou a minha localização nos EUA, e se gostaríamos de ir imediatamente ao hospital ou se dava pra esperar para o dia seguinte. Como eu pedi que queria imediatamente, ele pediu o telefone do hotel que eu estava e que alguém em menos de uma hora entraria em contato comigo. Dez minutos depois uma outra pessoa me ligou perguntando se eu queria falar em português ou espanhol, me deu o endereço do hospital mais próximo do hotel e um número de protocolo pra entregar no hospital. Resumindo, meu marido pegou uma pneumonia, precisou ficar internado por dois dias e o atendimento foi mega VIP no Califórnia Pacific Medical Center, até vacina pra pneumonia aplicaram nele. Quando voltamos tinha um e-mail do seguro solicitando documentos básicos de comprovação do período da viagem, da compra da passagem pelo cartão e o relatório médico referente ao atendimento hospitalar. Não foi necessário realizar nenhum pagamento nem nos EUA e nem quando chegamos aqui.
    Abs

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá, Ana Regina! Mto obrigada pelo comentário e por ter divido a sua história bem sucedida aqui no blog ;) Por acaso, vc saberia dizer em quanto ficou a internação do seu marido? Só uma curiosidade que eu acho que bacana de dividir com o pessoal, assim dá para ter uma ideia do preço de uma internação relativamente simples! Obrigada pela visita! Bjss

      Delete
  9. Oi Aline!!! Obrigada por cair de para quedas no Pitacos de Pá. Cai sempre viu rs!
    Que legal ter essas informações. Sempre pensamos só nos passeios e na parte legal, mas imprevistos acontecem. Nossa como são caras as coisas por aí!!!
    Adorei conhecer aqui!!!
    Bêjo

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Patricia, adorei seu cantinho e estou me familiarizando com tudo que vc escreveu por lá :) Pois é, saúde é algo mto caro neste país :( Bjsss

      Delete
  10. Ainda bem que nunca precisei usar seguro-saúde em nenhuma viagem que eu fiz, mas é sempre bom prevenir.

    Kisu!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Bah, essa é a ideia: a gente torce para não precisar, mas é melhor ter no caso da necessidade! Bjsss

      Delete
  11. Ótimo post, Aline. Mas o seu seguro não te reembolsa quando vocês voltam? A gente não faz seguro-viagem. Se precisamos de médico ou hospital, pagamos do bolso e nosso seguro de saúde nos reembolsa quando voltamos. Já precisamos usar com o Oliver (consulta médica e hospital) e funcionou bem. Mas acho que pra quem não quer ter de pagar do bolso e esperar pelo reembolso, com certeza o seguro de viagem é fundamental.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eli, meu seguro cobre no Brasil, mas como fazemos seguro para a viagem (inclui bagagem, cancelamento de voo yada yada) acabamos com seguro saúde extra! Bjss

      Delete
  12. Aline concordo com voce! Quando vou viajar faco seguro para tudo - saude, bagagem, danos contra terceiros... Como voce disse: "Merdas acontecem sem aviso prévio"...
    bjssa

    ReplyDelete
  13. Dé, eu tbm gosto de fazer seguro para tudo, melhor prevenir :) Bjsss

    ReplyDelete
  14. Olá Aline,

    Muito importante seus relatos, muitas pessoas não valorizam a importância do seguro viagem até que passe por uma situação crítica como no seu relato;
    Mas até mesmo algumas empresas desse segmento aqui no Brasil parecem não dar a devida importância à esse tipo de seguro devido a alta facilidade que vemos na contratação; Sendo realizada como simples assistência médica através de operadoras de cartões de crédito, pacotes de agências de turismo e até como benefício de estacionamento de aeroportos. O que conforme você citou, acaba por desestimular o cliente a buscar informações sobre suas coberturas, obrigações, exclusões e limites de cobertura. A importância de um corretor de seguros para fazer essa "ponte" e auxiliar tanto na contratação, quanto no atendimento é importantíssimo para garantir os direitos dos usuários. Também já precisei utilizar e recomendo a Safer Corretora de Seguros (http://www.safercorretora.com.br/seguro-viagem/internacional), você contrata com corretor e não paga nada a mais por isso. Vale a pena!

    ReplyDelete