Monday, May 9, 2011

Sobre ter filhos

Nos dias de hoje o planejamento familiar está sendo cada vez mais colocado em prática, e acho isso infinitamente positivo. Mas infelizmente, na clínica, deparo com muitos pacientes que não levaram em consideração todas as nuances do planejamento, e é quando eles precisam lidar com algumas situações não programadas que os problemas começam.
from Google Images
Não sou dona de nenhuma verdade. e muito menos estou para criticar ou pressionar ninguém para ter filho. O que estou tentando dizer é que vejo diversos casais que na verdade não estão planejando, mas simplesmente deixando para se ter filhos depois, como se fosse um processo bem simples, o que de fato não é. 
 
Acredito que a discussão sobre se ter filhos, não deva ser feita apenas no momento em que o casal pretende ter um filho, acho extremamente importante um casal saber sim a posição do outro com relação à filhos, antes de entrarem em um casamento, pq isso vai poupar discussões futuras. Falo isso, pq vejo pacientes que estão partindo para a Reprodução Independente, pois não compartilhavam o mesmo sonho do companheiro.
 
Eu sempre sonhei em ser mãe, brincava inclusive que teria meu filho sozinha se fosse necessário rsrs, mas sempre soube que gostaria de ser mãe só no momento que achasse mais adequado, só depois que eu conquistasse algumas coisas que eu acho que deveriam vir primeiro que um filho.
 
Eu tenho lido muitos blogs de casadas que sofrem ou sofreram pressão sobre terem filhos, e é fato que a nossa sociedade está sempre nos pressionando sobre papéis que devemos desempenhar na nossa vida, e que mais e mais mulheres não estão cedendo a esta pressão, o que acho maravilhoso.
 
Mas na verdade, não estou aqui discutir a pressão social e se devemos ou não ceder à ela, mas sim para, brevemente, exibir algumas nuances fisiológicas que tenho visto pacientes deixarem de lado no momento do planejamento familiar.
 
Não acredito em verdades absolutas, mas uma verdae que acredito é que a vida não é muito justa com as mulheres rsrs.
 
Enquanto os homens produzem espermatozóides até idade muito avançada (na verdade não se foi comprovado de que eles sequer parem de produzir os cabeçudos, há uma diminuição com o avanço da idade, mas a fábrica nunca fecha) nós mulheres nascemos com nossos ovos contadinhos :( e o pior é que nossa contagem é regressiva, pq cada mês que menstruamos é menos um na contagem geral.
 
from Google Images
Por isso acho válido sim planejarmos o momento de termos nossos filhos, mas quando penso em planejamento penso que todos os fatores devem ser levados em consideração, não apenas o fator carreira, financeiro, pressão social, vontade pessoal e assim vai... e o que vejo muitos deixarem de lado é o fator fisiológico.
 
É fato que a fertilidade feminina diminue após os 35 anos de idade, que há um aumento significativo na possibilidade de se ter um bb com síndrome de Down, ou que ainda aumente as chances da mulher desenvolver alguma doença crônica (como diabetes ou hipertensão), e tem um maior risco de apresentar complicações durante a gravidez.
 
Não estou querendo desesperar ninguém, estou apenas exemplificando alguns fatores que são deixados de lado por alguns casais que vejo diariamente. Entendam q são fatos, e não regras. Não estou dizendo vamos todas ter filhos antes dos 35, pq conhecemos diversas mulheres que tiveram seus filhos muito depois dos 35 e foi uma gravidez maravilhosa, e a ciência está cada vez mais tentando nos auxiliar nesta nova ordem de planejamento familiar, mas minha intenção aqui é falar de fatores que devem sim ser levados em consideração, pois informação é a chave para um planejamento adequado. 
 
Planejamento familiar abrange mto fatores diferentes: psicológico, social, fisiológico etc, e todos eles devem ser levados em consideração e discutidos exaustivamente, pq infelizmente, nosso reloginho biológico não combina mto com o nosso planejamento de vida, e por mais que planejamos e temos conhecimento, ainda há muitos fatores que são imprevistos, e é nesta hora que vejo o conhecimento fazer uma diferença, pq vejo que estes pacientes tem uma recuperação mais rápida.
 
Eu acredito que para tudo devemos estar o mais informada possível, e no momento de se ter uma família, não deveria ser diferente!

20 comments:

  1. Aline, adorei o seu post! Você está certa, é preciso conversar sobre isso antes mesmo de casar. Esses dias eu vi um documentário na tv sobre fertilidade feminina, e falava exatamente disso, que cada menstruação é menos uma na contagem geral, ai que triste! Ryan e eu queremos ter filhos, mas só no futuro não muito próximo de agora, claro que se engravidarmos antes ficaremos com o bebê, mas realmente não está nos nossos planos ter filhos agora.
    beijinhos, Tacia

    ReplyDelete
  2. Oi, Aline!

    Obrigada pela visita e pelo comentário lá no meu blog! Também penso como você, acho que deve haver sim um planejamento, mas com a consciência de que depois de certa idade, a tendência (não é regra geral)é de que as coisas fiquem mais difícieis para nós, mulheres.
    Eu acho que um fator agravante, pelo menos pra mim, e ssa questão de ter filhos longe dos amigos e da família. Não que eu espere que a minha família/amigos cuidem dos meus filhos caso os tivesse no Brasil, mas é óbvio que ter alguém por perto num caso de emergência é bem melhor!
    Aqui na Holanda as creches custam os olhos da cara, e infelizmente (ou não) a maioria das mulheres pára de trabalhar ou acaba trabalhandi part time, porque financeiramente não vale a pena pagar creche, dependendo de quanto se ganha.

    Beijos e ótima semana!

    ReplyDelete
  3. Bom, existem várias razões por que um casal resolve ter filhos depois dos 35 anos. No meu caso particular, eu nunca pensei em ser mãe seriamente. Essa ideia só me ocorreu aos 33 anos e engravidei aos 35 porque foi quando realmente quis e achei que era nosso momento. Sobre a Síndrome de Down, embora seja verdade que as chances aumentem em mulheres acima de 35 anos, esse número só é relativamente significante após os 40 anos. Dos 33 aos 35 é praticamente ao mesmo, estatisticamente falando. Apesar da questão da idade, 80% das crianças com Síndrome de Down são filhas de mães que conceberam ANTES dos 35 anos de idade. Quanto a dificuldade de engravidar, ela aumenta bastante após os 28 anos de idade, e assim sucessivamente a medida que a mulher envelhece mais e mais. Em geral, no entanto, essa dificuldade só é significativa após os 40 anos, não aos 35. Não estou fazendo apologia aqui às mulheres esperarem os 35 anos para ter o primeiro filho como eu. Esperei porque eu quis, porque eu nunca desejei ter filhos antes, mas também não concordo com essa pressão que existe para se ter filhos cedo. Olhando para trás, eu acho ótimo só ter decidido ser mãe no ano passado porque aos 25 (idade super fértil) eu não teria condições nenhuma de ser uma mãe como eu acho que tenho hoje. Mas não acho que mulheres com gravidez ótima e sem problemas de má formação dos filhos aos 35 anos seja a exceção. Nessa faixa etária, a exceção são as gravidezes problemáticas. E as estatísticas mostram isso. Após os 40, aí sim as coisas começam a complicar mais, mesmo assim, quando se trata de Síndrome de Down, mesmo para uma mulher de 40 anos as chances são de apenas 1% de o bebê nascer com esse problema. Aos 33/35 é de 0.5%. Acho que existe muito alarde exagerado sobre essa questão. O que fica significadamente mais difícil após os 40 anos (não aos 35) são as chances de engravidar naturalmente. Um beijo

    ReplyDelete
  4. INTERESSANTISSIMO esse post. Essa situacao faz parte do meu dia-a-dia no casamento desde que comecamos a pensar em ter filhos e a planejar.

    Bryan e eu estamos prontos (psicologicamente falando) para ter filhos. NAO VEMOS A HORA. Ele ta doido pra ter, eu tambem. Aih muita gente pergunta: "e por que nao comecam?" seguida dos comentarios:
    - "nao existe hora certa pra ter filhos"
    - "mas muitas mulheres conseguem estudar, trabalhar e cuidar de filhos, voce tambem conseguira"

    Mas EU NAO SOU OUTRAS MULHERES.

    Na verdade Bryan e eu nao estamos esperando o momento financeiro certo, como todos pensam. Afinal eh verdade, nem sempre a gente atinge o momento financeiro certo na nossa vida. Mas o que nao queriamos era ter filhos assim sem ter pelo menos um certo planejamento.

    Se eu nao tivesse voltado a estudar nos jah teriamos tido. Mas como voltei a estudar decidimos esperar ateh eu me formar pelo menos. Eh aih que o povo fala que eu "daria um jeito de conciliar tudo". Eu sei que conseguiria mas a faculdade que escolhi eh uma faculdade que consome tempo e dedicacao demais dos alunos. Nursing (enfermagem) nao eh facil. Aqui eh super puxado. Entao eu penso: pra que que vou ter filho agora se nao vou poder curtir a gravides e nem os primeiros anos da crianca? Eu quero ser mae mas nao apenas no sentido de botar no mundo, mas tambem no sentido de participar e curtir. Nao tenho nada contra deixar filhos em DayCare (creche) ou com baba se precisar, mas nao no comeco, nos primeiros 2 anos. Eu quero poder aproveitar e curtir! Entao por isso queremos esperar eu me formar. Por isso eu tava desesperada pra entrar no programa de Nursing este ano porque se nao entrasse agora aih sim eu estaria correndo contra o tempo pra ter filhos, pois eu me formaria mais tarde. Se eu nao tivesse entrado iriamos considerar em ter, exatamente pelo fator fisiologico, da idade e tal.

    Bryan e eu tinhamos um tempo determinado pra eu poder terminar a faculdade e termos filhos, mas se nao tivesse acontecido como planejamos nao iriamos pensar duas vezes em ter logo. Pois soh da seguinte opiniao: poderei estudar e ir pra faculdade ateh meus 60, 70 anos enquanto tiver cerebro funcionando. Mas meus ovulos nao viverao pra sempre, entao ateh meus 31 eu quero estar engravidando.

    Tenho consciencia tb de que nem sempre os planos de engravidar dao certo. E jah temos um back up plan: se por um acaso da natureza eu nao puder engravidar, mesmo tentando um especialista em fertilizacao, iremo adotar! E mesmo engravidando um dia, queremos adotar uma crianca.

    Tem muita gente que julga o fato de pessoas planejarem. Pra eles eh facil: "faca logo, que ta esperando mulher". Mas eles se esquecem de que cada pessoa tem uma meta, um jeito de pensar. Eu nao quero apenas ter filhos, quero cria-los e me dedicar a eles. E na faculdade de enfermagem nao vou conseguir isso. No futuro, quando eu estiver trabalhando eu poderei ter a opcao de trabalhar apenas part-time. Entao assim serah bem mais facil, poderei ainda me dedicar a meus filhos. Adorei esse post Aline!

    ReplyDelete
  5. Nossa esse assunto me faz tremer, eu passei 1 ano inteiro na faculdade estudando sobre planejamento e tudo mais o que vc abordou no seu post. Eu tenho 33 anos e como eu ti falei antes, tenho ovario policistico, o meu relogio biologico ja esta me colocando contra parede faz tempo, mas eu tomei uma atitude, me livrei do anticoncepcional, comecei a tomar acido folico e seja o que Deus quiser, porque o meu planejamento ideal seria apos terminar a faculdade aki, mas vai que a natureza nao espera.. eu nao sabia dessa questao de um ovulo a menos qdo nos menstruamos. Eu soh queria ter mais um tempinho mas com o ovario policistico vai ser dificil esperar mais.. :(
    bjuuuuuuuussssss

    ReplyDelete
  6. Oi Aline! legal seu post!
    Eu tb acho que ter filhos é coisa sérissima, a maior responsabilidade de uma pessoa. Trazer uma vida ao mundo é coisa séria! minha irmã sempre diz que o Brasil devia fazer uma campanha forte de planejamento familiar. Tem muita gente por aí que acha lindo, mas por imaturidade ou fantasia, acha que é tudo um mar de rosas, e depois não consegue dar conta do recado. Mas tb já vi muita gente que foi mãe/pai inesperadamente e acabou se saindo muito bem. Enfim, eu nunca sonhei em ser mãe, nem quando eu era criança eu gostava de brincar de boneca, estilo mamãe, bebê... mas eu sempre digo a Deus, sei que a gente muda muito com o passar do tempo, se um dia Deus quiser, que Ele me dê (e ao pai da criança tb né hehe) amor e sabedoria para isso!
    Bjs!

    ReplyDelete
  7. Oi TACIA, eu acho que comunicação é tudo em um casamento, e é ótimo que vc e o seu noivo saibam o que querem. Eu sei q quero ser mãe, mas milhóes de coisas passam pela minha cabeça e não sei exatamente como esta história vai terminar, até mesmo pq eu tenho problemas de fertilidade já dignosticado, inclusive eu não tenho mestruação exatamente por conta do problema.Acho q vc está certissima, se o filho vier antes do planejado, a gente abraça a idéia rsrs mas se dá para planejar, nada melhor!! Beijos


    Olá ALINE, obrigada pela visita e pelo comentário!Eu tbm acho um super agravante ter filhos longe da família, é algo que considero muito qndo penso na possibilidade de iniciar minha família. Super entendo o q vc qr dizer, ter alguém para contar no momento q precisa é sim mto importante, e não é só para cuidar da criança, mas é tbm o conforto e segurança q os conhecidos nos dão, q faz sim falta qndo estamos longe de casa. Que interessante esta informação sobre a Holanda, eu vejo aqui no EUA mta mulher tbm partir para o part-time job ou simplesmente largar o trabalho, sinceramente n sei se é por opção ou pq como na Holanda, os preços são altos, vc despertou minha curiosidade rs. Beijos

    ReplyDelete
  8. ELI, foi exatamente isso que tentei passar no post, q diversos fatores influenciam no planejamento familiar e acredito que todos devam ser levados em consideração e q a decisão seja consciente e ciente de todos os riscos. Infelizmente a gente encontra muitos pacientes na clínica q não tinha todas as informações e q hj se arrependem de n terem pesquisado mais. Tbm vi vários blog de recém casadas brasileiras debatendo sobre o momento de ter filhos, e todas falam sobre carreira, social e etc, mas nenhuma falava do fator fisiológico da coisa, por isso decidi escrever o post. Longe de mim fazer apologia as pessoas terem filhos antes dos 35 anos, pq acho q esta é uma decisão única e exclusiva dos casais, eu mesma n sei qndo e se vou colocar um mestico no mundo rsrs e acho q se o fizer nao tenho mtas esperanças de ser antes dos 35 rsrs.
    Na verdade, infelizmente na Medicina considera-se sim significante a diminuição da fertilidade após os 35 anos. O pregnancy rate de mulheres antes dos 30 é de 20-25% após os 35 isso cai para 10%, o que é considerado uma queda significativa. Para vc ter uma idéia, na clínica que trabalhava no Brasil (hospital público) eles nem aceitavam fazer procedimentos em mulheres acima dos 35 anos, eu achava um absurdo, mas era o sistema. Com relação a problemas na gravidez, as mulheres abaixo dos 30 tem de 5-10% de sofrer um aborto espontâneo, enquanto que acima dos 35 este número sobe para 25%, o que pode não parecer muito, mas qndo estamos falando em estatistica médica, é um número bastante relevante, a mesma coisa com a Síndrome de Down enquanto antes dos 30 a chande de um bb nascer com a Síndrome é de 1 para 1.250 após os 35, passa a ser 1 para 350, novamente se falarmos em % de 1% para 0.5% pode não parecer mto, mas se vc comparar os dados entres as idades a diferença é dramaticamente relevante. Quanto a informação sobre 80% das crianças com Síndrome de Down terem nascido de mães abaixo dos 35 anos, este é um dado diferente do q estou citando. Pq estatisticamente vc tem mais crianças que no geral nasceram de mães abaixo dos 35 anos, e consequentemente o número de crianças com Síndrome nascidas destas mães vai ser maior, no entanto para se calcular a incidência entre os grupos, vc precisa calcular a população em % em cada grupo (mães abaixo dos 35 e acima), e desta porcentagem vc calcula a porcentagem da incidência da Síndrome, e assim q eles chegaram a estes números que citei acima. Para mim a decisão de ter um bb é hiper complexo (aliás, um dos processos mais complexo do corpo humano) e acho q todos os impactos desta decisão devem ser considerados. Fora todos estes dados, ainda existem outros milhões de fatores que influenciam uma gravidez, por isso acho q esta é uma decisão q deve ser tão bem planejada, e mesmo com todo o planejamento ainda há mta coisa q aparece de surpresa, então imagina aqueles q não se planejam? Nos dias de hoje encontramos mtas mulheres que tiveram seus filhos após os 35 anos e, em diversas sociedades atuais os filhos vem mto mais tarde na relação. A minha própria avó teve o caçula dela (meu pai rsrs) qndo ela estava com 42 anos, e foi uma gravidez super tranquila. Eu entendo qndo vc diz q hj está mto mais preparada para o seu bb do q estava aos 25 anos, eu concordo, eu mesma não acho q agora aos meus 27 estou preparada para isso, mas estou ciente das informações q cercam esta decisão, e foi esta a minha intenção com o post, mostrar um lado (fisiológico) q alguns deixam de lado. Beijos

    ReplyDelete
  9. NANI, vc está certíssima na sua forma de pensar. Infelizmente as pessoas têm mto o hábito de julgar e projetar na gente aquilo q elas querem. Odeio os comentários de se fulana conseguiu vc tbm consegue... Vá se catar, não estou dizendo q não consigo, só estou falando q estou optando por n o fazer. Sou super tolerante, mas detesto ver pessoas q julgam nossas opções. Acho super bacana q vc e seu marido têm planos e estão bem cientes do q vcs podem encontrar pela frente, e isto é planejamento, e admiro mto casais q fazem isso! Parabéns para vcs dois! Eu não tenho uma idade q imagino q vou ter um bb, eu tenho problemas de fertilidade, como citei para a Tacia, nem mesntruar eu mesntruo no momento, então este será um processo q sei q tenho q ver com mto planejamento. Fora este fator, estou considerando go back to school e o namorido tbm têm um schedule louco e está mto longe de terminar todos os estudos (ainda uns 4 anos), estamos indo um passo de cada vez, mas conversamos mto do q queremos e como queremos, vamos ver onde isto vai acabar rsrs. Achei mto bacana q vc colocu q estã focando sua carreira mas tbm levando em consideração o início de uma família, achei isto super admirável! Obrigado por dividir este planejamento tão cuidadoso comigo! Beijos

    CATH, eu entendo mto bem qndo vc fala sobre ser um assunto q te faz tremer. Particularmente eu não sou nenhum exemplo de fertilidade, como citei para as outras meninas, eu tive que para de menstruar e não foi por escolha, mas sim necessidade. É difícil pq a vida real e o nosso relóginho biológico não nos ajuda mto né? Infelizmente a sua situação é sim mais complicada, mas o mais bacana é q vc está se informando, cuidando de si mesma, e planejando da melhor forma possível de acordo com a sua situação. O q vc precisar, estou aqui, as vezes temos curiosidades em algumas coisas, e até podemos achar q as pessoas pensem q são perguntas tolas, mas a verdade é q não existe pergunta tola, principalmente qndo estamos lidando com algo q é desconhecido para nós. Eu te desejo muito boa sorte e que as coisas aconteçam da melhor forma possível para vc! beijos

    CALIANE, concordo com vc, e com sua irmã rs. Acredite, um dos meus projetos na faculdade foi uma ONG sobre Planejamento Familiar. Meu professor até brincava que eu havia o projeto com tanto afinco que ele acreditava que minha ONG sairia do papel, infelizmente eu sai do Brasil logo que me formei, e nunca pude colocar meu projeto em prática, mas é algo que ainda tenho em mente. Filhos n vem com manual de instruções, por isso acho q deve o planejamento ajuda, mas tbm n faz milagre rsrs como vc disse, tem mtos pais mto bacanas q se tornaram pais de supresa. Vc sabe q qndo criança eu tbm nunca brinquei de filhinha com bonecas, mas la para ou meus 9 anos comecei com a idéia que não casaria e sim teria um filho de reprodução independente hahaha Eu sou extremamente maternal, tenho um lado mãe meio gritante, mas n sei mto bem se chegarei a exercer o papel, qm sabe né? Ainda tenho tempo rsrs Beijos

    ReplyDelete
  10. Interessantissimo post..Concordo com vc, esta
    é uma decisão que deve ser tomada ou discutida antes do casamento...Eu e meu noivo conversamos muito sobre isto, quero engravidar daqui a uns 5 anos, quando estarei com 30. se eu pudesse ja seria mãe, mas por enquanto estou lutando pela tal estabildade financeira, e sou da Mesma opinião que a Elaine, quero poder curtir meus filhos não deixa-los em day care ou com a baba nos primeiros anos de vida...

    ReplyDelete
  11. Oi Aline,
    Nossa, adorei o post, foi muito esclarecedor para mim que ainda tenhos algumas dúvidas e um histórico de abortos espontâneos na família. Mal, mal estou noiva e minha mãe já está aqui pedindo um netinho! Até em aula de inglês ela entrou, hahaha... Compartilho da mesma ideia que a sua e acho muito importante (fundamental) conversar sobre isso com o companheiro. O Ryan (meu noivo) ja tem uma filha, por isso decidimos ter apenas mais um (apesar do meu desejo de 2 crianças pois eu tenho irmãs e seu a importância deste fato na minha vida). Eu quero apenas me estabelecer melhor financeiramente e daqui a 2 anos (com 25 anos) já vou encomendar o primeiro!

    ReplyDelete
  12. Que legal seu projeto da faculdade!! minha irmã chegou até a procurar alguma ONG aqui no Rio q trabalhasse com isso, ela tinha pensado em ser voluntária, mas ela não encontrou nenhuma!
    Acho legal vc falar sobre o assunto no aspecto fisiológico e emocional da coisa.
    Ah e se fosse a Nani não estaria nem aí pros comentários das outras pessoas.. "se fulana conseguiu vc consegue"... me desculpe a expressão, mas eu cago pra quem fez ou deixou de fazer. Eu não sou como outras pessoas que conseguem fazer várias coisas ao mesmo tempo..acho trabalhar e estudar cansativo demais, quem dirá isso tudo + filho! Não dá pra ser super ocupada e ter filho, não... não dá pra largar no mundo de qualquer jeito!
    Mas em falando do outro lado da moeda, tenho amigas que se tornaram mães de surpresa e conseguiram dar um jeito. Mas aí é diferente, foi um ato inconsequente que as obrigou refazer suas vidas. Hoje em dia estão felizes com a maternidade, mas ninguém precisa levar isso dessa maneira tão drástica. Se é possível planejar, então planejemos!!

    ReplyDelete
  13. Oi ELIANE, eu tbm concordo com vc e com a Nani, quero poder estar presente como mãe, e participar efetivamente da educação do meu filho. Então a gente corre agora para diminuir o ritmo mais tarde, certo? Beijos

    JOANA, acho q vc está super certa na sua forma de pensar, e mto bacana q vc e seu noivo se comunicam sobre este assunto ainda mais que na situação de vcs há outra criança envolvida. Beijos

    CALIANE, pois é, sempre me interessei sobre planejamento familiar e a fertilidade, e na faculdade consegui colocar alguns planos doidos em prática. Infelizmente a gente não encontra mtos lugares que trabalham com o planejamento familiar, uma grande pena, mas tenho mta esperança q isso ainda mude! hahaha concordo com vc q a Nani devia mandar este povo para as cucuias rsrs É como já comentei, não é nem uma questão de que não somos capazes de realizar tal façanha, supre me irrita o tom de desafio, pq não é uma competição. É pura e simplesmente o fato de que se posso planejar e fazer algo sem ser pega de surpresa, para q eu vou enfiar os pés pelas mãos?! É isso aí, se podemos nos programar, pq não?? Beijos

    ReplyDelete
  14. Cali, mas eu nao dou bola mesmo!!! FOi exatamente isso que eu quis dizer quando eu disse "mas eu nao sou as outras mulheres". Nao deixo ninguem ficar me pressionando nao, falou levou!
    Adoro essa expressao que voce falou "to cagando e andando pro que as pessoas falam", uso muito!
    beijinhos

    ReplyDelete
  15. Cali, a explicacao que dei aqui no comentario foi pro post, nao fico me explicando para aqueles que fazem esses comentarios pra mim nao. Eu simplesmente respondo: nao sou as outras! E ponto. Me irrita mas nao me incomodo com isso entende? Foi mais ou menos isso que eu quis dizer.

    ReplyDelete
  16. Oi Aline o tema do seu post foi excelente. Existe mesmo uma pressão da sociedade na vida da gente pra tudo, quando é solteira é pra casar, quando casa e pra ter filhos e por ai vai, acho muito sério a decisão de colocar um ser no mundo, é preciso ter tempo, dinheiro e condições psicológicas pra cuidar de uma criança, e não acho que criar uma seja assim tão fácil quanto dizem por ai. Eu e meu noivo sempre conversamos muito sobre esse assunto, eu realmente até agora nunca senti a vontade da maternidade, e nem ele o da paternidade, durante nossas conversas muitas vezes ponderamos não ter filhos, eu vou casar na casa dos 30, estou mudando tudo na minha vida, se eu fosse ter filho seria lá pelos 40 anos, mas ai entra os problemas da fertilidade que você listou, enfim, não é que tenhamos alguma posição tomada sobre isso, mas ponderamos todas as possibilidades, muita gente acha um absurdo eu falar que não tenho certeza se quero ser mãe, mas sempre digo, não somos iguais, temos planos e sonhos diferentes, como dizem por ai...cada louco com sua loucura não é!
    Parábens pelo excelente post, e as dúvidas tiradas também são o máximo...hehe
    Beijinhos

    ReplyDelete
  17. Oiii, Aline eu nao consegui achar o topico que eu postei uma pergunta sobre o acido folico. Desculpa mas eu vou postar de novo. Vc acha que ajuda em relacao a sindrome do ovario policistico ou eh mito?
    Obrigada pelas orientacoes :)

    bjusss

    ReplyDelete
  18. Oi ELIANE, acho que vc esta certíssima na sua forma de pensar, e o seu tempo ainda está ótimo, em cinco anos vc estará com 30, o que ainda é uma ótima idade, e o fato de vcs dois conversarem e planejarem, eu acho muito positivo.

    JOANA, hahaha não sucumbe a sua mãe não hein? rsrsrs olha a pressão externa rs. Ainda bem que meus pais já tem um neto, que toma todo o tempo deles, ufaa como a caçula, ainda tenho tempo até eles chegarem em mim rsrs Acho mto bacana que vc e o seu noivo falem sobre isso, especialmente por já ter uma criança envolvida, acho muito bacana vcs estarem se planejando! Beijos

    NANI e CALI, dei muita risada com o cagando e andando, tbm adoro esta expressão hahaha Beijos

    MONIQUE, é exatamente o que vc falou, o tempo todo estão nos pressionando para alcançar algo que as pessoas projetam na gente. Tbm acho que ter um filho é mto mais complexo do q as pessoas pintam por ai, e acho q ngm tenha o direito de te julgar sobre estar ponderando sobre ter ou não filhos, é como disse no post, esta é uma decisão extrita do casal e ngm tem o direito de julgar isso, as pessoas deveriam na verdade é te dar parabéns por ser tão consciente!!É o q vc disse, todos nós temos planos e sonhos diferentes, q deixem a gente viver nosso sonhos! Beijos

    CATH, o uso do ácido fólico para pacientes com PCOS não é mito não, e acho muito bacana que mesmo que vc não esteja, efetivamente, tentando ser mãe, vc está tomando precauções pensando no futuro. Os pacientes com PCOS sofrem de um desequilíbrio hormonal que geram vários problemas de saúde. A ingestão de ácido fólico auxilia na redução de um hormônio chamado homocisteína, que normalmente é eliminado pelos nossos rins, mas em pacientes com PCOS ele se encontra em níveis elevados no organismo. Especificamente, falando-se em fertilidade, altos níveis de homocisteína na mulher, causam problemas no desenvolvimento folicular (aglomerado de células preceptoras do óvulo)e problemas no processo de maturação do óvulo. Portanto, o controle deste hormônio com o auxílio do ácido fólico têm demonstrado resultados bem positivos para as pacientes com PCOS. Espero ter esclarecido sua dúvida. Beijos

    ReplyDelete
  19. Oii, Aline. Muito Obrigado por ter respondido minha duvida. Eu continuo firme e forte no acido folico. Eu nao sabia sobre esse hormonio ja que aqui infelizmente o pais nao leva serio pessoas com pcos e nao tem acompanhamento. Eu fiz um ultrassom em 4 anos e o medico disse que eu nao tinha nada, mas como no brasil eu mantinha tudo sobre controle aki eu tento ler bastante e ver o que posso fazer ateh voltar pro brasil e fazer mais exames. bjuuussss e Obrigada pela ajuda

    ReplyDelete
  20. Nossa Cath, que pena que por aí eles não se preocupam tanto assim com a fertilidade. Vc sabe o pq q eles têm esta postura? Fiquei intrigada! Estou por aqui para o q vc precisar, eu vou selecionar alguns artigos e vou mandar para vc, se tiver algo mais que possa fazer, é só me avisar!! Bjuss

    ReplyDelete