Wednesday, April 13, 2011

Eu e o EUA

Vir pra os EUA nunca foi, para mim, um sonho, meta, desejo ou qualquer coisa parecida. Meu top 3 era Peru, França e Nova Zelândia. A grande verdade é que nunca vi nenhum atrativo na terra do Tio Sam. Gosto de história antiga, esportes radicais, arquitetura.... e nenhum destes é, necessariamente, o ponto forte norte americano. Nunca tive a mínima vontade de aprender inglês (aprendi por pura obrigação) e se tivesse que aprender, que fosse o inglês britânico e seu sotaque, que acho Divino!

Minha opinião sobre os norte americanos era de ser formado por: povo egocêntrico, intrometido e pré-conceituoso. Ok, eu admito que meu pensamento também era pré-conceituoso rs, e sempre me irritou, profundamente, brasileiros que idolatravam os EUA. Àqueles que quando em um bate papo, só sabe falar como os EUA é milhões de vezes melhor q o Brasil e blá blá blá, em uma competição que até hoje não faz muito sentido para mim. Eu acredito que está mais do que na hora dos, muitos, brasileiros aprenderem a ser criteriosos à respeito de sua opinião, e não deslumbrados.

Enfim, interagir com norte americanos me ensinou que eles não são de todo o mal rsrs. Aindo os considero, em grande parte, egocêntricos, intrometidos, preconceituosos e outras características que aprendi por aqui rs. No entanto, aprendi que há muitas excessões e que onde você mora, faz uma grande diferença, como em qualquer outro país.

Ao chegar nos EUA, fui recebida de braços abertos por desconhecidos. Meus roommates e colegas de trabalho me receberam como parte da família, o que foi fundamental em momentos em que a saudade da família que deixei para trás, era insuportável. Encontrei pessoas que mudavam todos os seus planos do dia para ficar em casa com uma brasileira deprimida; pessoas que me estimulavam a falar, mesmo que errado, para que eu de fato aprendesse a língua, pq errar nunca foi vergonhoso. No trabalho, eu encontrei o mesmo estímulo e suporte.

Não, não foi tudo um mar de rosas... Encontrei diversos "idiotas", preconceituosos e cheios de estereótipos. Já escutei: "Nossa, vc fala inglês?", aparentemente não somos capazes; quando uma música em espanhol começa a tocar: "Olha, está tocando música brasileira."; ou quando me espantava ao ver algumas roupas minúsculas e o esfrega esfrega em bares: "Mas vc é brasileira, está acostumada". Quero fazer um adendo aqui, não estou dizendo que no Brasil não encontramos: esfrega esfrega ou qualquer outra coisa citada, mas para mim, foi um contraste cultural sim. Estes atos são considerados "comum" nos EUA, é como beijar na boca na rua: por aqui causa certa estranheza, no Brasil é comum.

Posso dizer que já vi e escutei muita coisa que me deixou/a emputecida, mas aprendi que, muitos destes comentários nascem não só pela ignorâcia (do conhecimento) dos norte americanos, mas também pela própria imagem que nós brasileiros, muitas vezes, vendemos.

Qual o principal produto brasileiro? Carnaval; as notícias que gritamos para o mundo todo? Violência, tráfico, desorganização, corrupção... Entendam que, não estou dizendo que deveríamos esconder nenhum dos nosso problemas, mas nossos problemas internos deveriam ser resolvidos internamente, e deveríamos vender as coisas boas que temos, não apenas as ruins.

Existe muito brasileiro que adora falar mal do Brasil. Uma conhecida, norte americana, me perguntou como eu havia me formado na Universidade, pois uma conhecida dela (brasileira) havia dito que mulher, no Brasil, não podia ir para cursos de ensino superior. Agora me fala, quem acaba com a nossa própria imagem?!

Qual é o único país que leva um representante estrangeiro para conhecer um dos maiores problemas do país: as favelas? Novamente, não é que devemos esconder e nos envergonhar, mas quando estamos para "vender um produto", o normal é exaltar as qualidades. Eu não vejo o Obama levando seus visitantes para Detroit, certo?

Voltando ao "main point" do post (já divaguei demais, sorry rs). Vir para os EUA, me reafirmou que toda moeda possui dois lados, e que antes de julgarmos baseados em certas informações, devemos confirmá-las. Acredito que, acima de tudo, devemos ser realistas, pois seja no Brasil, EUA, Japão... qqr canto do mundo, há uma listinha de prós e contras, e baseado nesta lista será possível decidir qual o país que melhor atende nossas necessidades no momento que estamos vivendo, pq nada é para sempre, e todos possuem defeitos.

8 comments:

  1. AMEI seu post! Eu penso igualzinho, sem tirar nem pôr. Acho que não somos deslumbradas com os EUA porque nunca fizemos questão nem planos de vir morar aqui. Mas uma vez aqui, eu tento fazer dar certo. Tenho consciencia, no entanto, que americano não é melhor que povo nenhum e me irrita muito brasileiro com baixo auto-estima que acha que tudo no BR é podre e tudo aqui é maravilhoso. Que engano! Eu sou crítica dos dois lugares, mas nunca vou dizer que tudo aqui é perfeito, porque não é mesmo. Nenhum lugar é, né? Sexta-feira, hein? Desta vez não vou esquecer....rs... Beijo

    ReplyDelete
  2. Concordo com vc em número, gênero e grau. heheheh
    Sério, se tem uma coisa que me deixa furisosa é ouvir brasileiros idolatrando tudo no país dos outros e detonando de todo jeito o Brasil. Jà ouvi de um economista que está fazendo doutorado aqui que no Brasil não tem médico que preste. Rapaz, é cada coisa que vc escuta! Claro que não ouvi esse absurdo calada. Acho que é preciso ser consciente dos defeitos e das qualidades. E isso vale pra qualquer país.
    Toda moeda tem dois lados!
    beijos

    ReplyDelete
  3. Adorei esse post!!! Olha, eu nunca tive pre-conceito dos EUA, mas tb nunca morri de amores (antes de vir). Eu sabia que queria morar fora, aprendi ingles desde pequena pra seguir esse sonho (soh que eu queria ir pra Inglaterra, exatamente pela historia e pelo sotaque haha). Mas como na epoca eu nao tinha grana o suficiente e seria mais barato vir de Au Pair para os EUA eu vim pra cah mesmo. E confesso que me apaixonei pelo estilo de vida daqui. Me surpreendi com os Americanos, que quem eu conhecia vivia dizendo que eram tudo gordo, frios e egocentricos. Mas eu vi que nao eh bem por aih nao. Aqui tem "putas" como tem no Brasil e em outros lugares do mundo, aqui tem gente ruim, violencia como em todo lugar do mundo. Mas tb tem gente legal, qualidade de vida... essas coisas dependem do local que voce mora, do background do grupo de pessoas que a gente anda... Eu amo viver aqui e nao voltaria pro Brasil (soh se fosse obrigada mesmo!)

    ReplyDelete
  4. Ah, esqueci de dizer. O fato de eu nao querer morar mais no Brasil nao eh porque eu nao gosto do Brasil. Eu amo meu pais! Mas infelizmente o proprio povo brasileiro nao ajuda. A corrupcao corriqueira, a cabecinha pequena e mente fechada de muitos... a violencia do dia a dia, aquela banal mesmo de voce ter medo de parar no semaforo e levar um tiro na cabeca sendo assaltada a luz do dia... coisas assim.

    ReplyDelete
  5. Oi Aline vim fazer uma visitinha e amei seu bloguito, voce falou e disse tudo nesse post. Toda história tem 2 lados, nem tudo é desgraça e nem tudo é um mar de rosas, na verdade o melhor lugar é aquele que satisfaz as necessidades que temos em determinados momentos da vida, o que hoje serve bem amanha pode não se encaixar mais.
    Beijinhos

    ReplyDelete
  6. Ola Monique,

    Muito obrigada pela visita! Sera' sempre mto bem vinda por aqui! E' como vc comentou no seu post sobre relacionamento, nada tem apenas o lado glorioso...
    Beijos

    ReplyDelete
  7. Eu acho de verdade que todas as pessoas deveriam ser obrigadas a passar uma temporada no exterior. Daquelas experiências que a gente leva para a vida.
    Eu sou professora de línguas (vc sabe..hehehe) e sempre digo aos meus alunos que língua é a última coisa que quero ensinar para eles. Quero que através de uma língua eles possam conhecer outra cultura e através de outra cultura elas possam avaliar com a criticidade necessária a nossa própria... O que é bom? O que é ruim? Em que somos exímios? Que coisas nos fazem únicos? O que poderíamos aprender com outros povos?
    Eu comi o pão que o diabo amassou por ser brasileira fora do Brasil tbm (e comparando com o Gustavo, acho MESMO que as mulheres fora do Brasil sofrem mais...), mas também tenho meus amigos queridos que foram mais que família muitas vezes por esse mundo aí...

    ReplyDelete
  8. Ise, super concordo com vc, acho que todos deveriam experimentar sim, uma temporada no exterior. Acho que amadurecemos muito, com certeza aprendemos te uma visão mais abrangente da vida... Como vc disse, uma experiência que levamos para vida toda, e claro, não é composta o tempo todo de momentos mágicos.
    Bjuss

    ReplyDelete